Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para os outros em espírito de fraternidade” – estabelece o artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, aprovada pela assembléia-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), há 70 anos (10/12/1948). Mas o conceito de direitos humanos é antiqüíssimo. Vem desde o rei persa Ciro II (539 aC), passando pela Roma Antiga, Idade Média e pela constituição das nações ao redor do mundo, até nossos dias. Os povos buscam, com esses conceitos, resolver os problemas contemporâneos e muitas vezes esquecem do sentido amplo da defesa do ser em iguais condições e oportunidades.  Desgraçadamente, o tema foi politizado e tornou-se fator de opressão, divisões sociais e deformações.

A exploração dos “direitos humanos” no Brasil das últimas décadas foi seletiva e injusta, motivada por interesses políticos e ideológicos. Em vez de lutar pelo bem-estar de todos os humanos, grupos interesseiros, politiqueiros e radicais conduziram à atribuição da titularidade de humanos só aos transgressores da lei e fizeram questão de excluir desses direitos os policiais e outros profissionais que têm o dever de ofício de combater o crime. Assim, o criminoso tornou-se coitadinho e o agente do estado vilão. Pior que isso se deu com o beneplácito ou omissão de governos e setores da sociedade demagogos e fortemente ideologizados.

Com a mudança de paradigmas políticos decorrente do resultado das últimas eleições, espera-se que o Brasil, finalmente, adote uma política consistente de direitos humanos. Que o humano credor da proteção do Estado não seja exclusivamente o transgressor, mas todos os indivíduos, cada qual no seu espaço e necessidade. A sociedade precisa se preparar para ver todos os humanos como tal sem superproteger uns nem perseguir outros. O policial também é humano, tem família, sentimentos, direitos e deveres. A balança precisa ser recalibrada e deixar de pender por ideologia, corporativismo ou qualquer outro elemento que não seja a proteção e preservação do ser humano em essência.

Chega de ativismo irresponsável que apóia a desobediência civil e o crime e persegue quem busca o cumprimento legal. Todos, juntos, temos de buscar o fiel cumprimento do ordenamento jurídico, como garantidor da democracia e do bem-estar social, e combater toda desordem, excessos e comportamentos que fazem sofrer o ser humano. É uma importante e inadiável tarefa para todos que queremos e sonhamos com um Brasil novo. Direitos humanos devem atender a todos os indivíduos, jamais privilegiar segmentos e muito menos servir de bandeira ideológica e de aproveitamento social ou político para outros.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.