Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em 2020 vários estados brasileiros registraram recordes no número de pedidos de divórcios; para terapeuta e psicanalista amazonense Samiza Soares a pandemia só revelou os problemas já existentes no casamento

Chegar ao fim de um casamento pode ser doloroso para os casais, principalmente quando a relação envolve filhos, muitos anos de relacionamento ou quando o término é motivado por algo extremamente complicado. Na pandemia do coronavírus, o divórcio se tornou uma realidade em muitos lares brasileiros, incluindo nos de pessoas famosas e celebridades, como o cantor sertanejo Gusttavo Lima e Andressa Suita.

Foram tantas separações, que, em alguns estados, o número de pedidos de divórcio em 2020 bateu recorde na comparação com o ano anterior, segundo os dados do Colégio Notarial do Brasil, do Conselho Federal (CNB/CF). Destaque para Rondônia, com 54% de aumento, Acre, com 50% e Mato Grosso do Sul, com 49%. (veja a lista completa ao final)

Diante dos números, surge a dúvida: a pandemia é a responsável por tantas separações? A terapeuta e psicanalista amazonense Samiza Soares afirma que não.

 “São inúmeros os motivos que levam ao divócio: a falta de compreensão do que é importante para o outro, os vícios e compulsões, a falta de diálogo, problemas na vida financeira, falta de sexo, falta de liberdade e individualidade e a infidelidade são alguns deles”, explica.

Então, o que justifica o aumento durante a pandemia? Segundo a especialista, o isolamento obrigou as pessoas a saírem da zona de conforto e os problemas ficaram mais escancarados.

“Antes da pandemia, nós vivíamos uma vida muito corrida. Tínhamos que acordar cedo, levar os filhos para escola, ir para academia, depois ir para o trabalho, almoçar na rua e, finalmente, quando chegávamos em casa, a esposa ou marido e os filhos já estavam dormindo. Hoje, tivemos que mudar essa rotina e ficar praticamente 24 horas dentro de casa convivendo com as manias, defeitos e qualidades do outro. Ou seja, nos acomodamos com o passar dos anos a empurrar os problemas para debaixo do tapete e agora somos obrigados a encarar os problemas de frente. Nessa, muita gente não aguenta e opta pela separação”, comenta.

A terapia de casal é uma das maneiras de enfrentar os problemas. A alternativa foca nas dificuldades que o casal está vivendo e procura ajudá-los a restabelecer a confiança e a harmonia.

“O papel do psicanalista é auxiliar os parceiros a identificarem os pontos de conflito do relacionamento e a determinarem quais são as mudanças que os incomodam. É preciso falar do que não gostamos, e é preciso cortar comportamentos prejudiciais logo no início. Nesses casos, é preciso muita paciência, tolerância, compreensão e transparência”, afirma. “Não é momento certo para definir quando procurar uma terapia de casal. A busca desse apoio deve acontecer quando os parceiros compreendem que necessitam de auxílio para melhoria do relacionamento ou quando algo acontece e que estes precisam de auxílio para superar este obstáculo”, completa.

Lista dos estados que mais registraram divórcios em 2020.

Acre (50%)

Amazonas (17%)

Espírito Santo (30%)

Distrito Federal (26%)

Goiás (19%)

Maranhão (19%)

Minas Gerais (11%)

Mato Grosso do Sul (49%)

Paraíba (19%)

Paraná (13%)

Rio de Janeiro (8%)

Rio Grande do Norte (26%)

Rondônia (54%)

Roraima (26%)

Santa Catarina (9%)

São Paulo (18%)

Jennifer da Silva/Suporte MF Press Global

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.