Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Nação vive a excitação de ver atrás das grades dois ex-presidentes, ex-governadores, ex-ministros e outrora poderosos parlamentares. É um novo Brasil, sem dúvida.  Há, no entanto, um verdadeiro cabo-de-guerra em torno de diferentes questões que, em outras épocas, passavam despercebidas, como, por exemplo, o contingenciamento (suspensão) de verbas do orçamento da União para diferentes setores,  a volta do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) do ministério da Justiça para o da Economia, e outras questões pontuais. Uma legião de incautos é levada a pensar que só o Jair Bolsonaro cortou verbas para Educação, Saúde e outros setores, quando isso é atitude rotineira nos governos para evitar problemas no fechamento das contas. Quanto ao órgão controlador das contas bancárias, fala-se como se a retirada do controle do ministro Sergio Moro fosse levá-lo a não funcionar quando, na verdade, independente de onde esteja abrigado, continuará com suas funções e controlado pelo Poder Executivo. 

É preciso acabar com a desinformação e a hipocrisia. Sem isso será difícil alcançar as reformas e as medidas que necessitamos. Todo projeto governamental apresentado ao Congresso Nacional é passível de alterações, pois discutir, emendar e votar projetos é a função de deputados e senadores. Logo, quando fazem mudanças, apenas cumprem suas missões e isso não representa, necessariamente, a derrota do governo. Lembremos que o projeto não é do governo, mas do país. Situacionistas e oposicionistas debaterem e até chegar às vias-de-fato no calor da atuação não é o ideal, mas também não é coisa nova. O ruim seria deputados e senadores amorfos e omissos.

Todos os integrantes da cena política, administrativa, judiciária e social têm de ser conscientes de suas obrigações e, mais que isso, fazer tudo para cumpri-las com regularidade. O governo tem de governar, o legislativo legislar, o judiciário julgar e a sociedade atuar na suas diferentes frentes, todos visando o bem geral. Todos esses segmentos agindo de acordo com suas finalidades, levam a uma vida social equilibrada, justa e em condições de se desenvolver e proporcionar melhores condições à população.

O Brasil de hoje precisa desarmar os espíritos. Acabar com a intolerância de uns contra os outros, especialmente na área política e ideológica. Cada segmento, independente de sua orientação, tem de enxergar a realidade e não tentar impingir irrealidades. Temos de trabalhar para que tudo funcione de acordo com suas finalidades. Os órgãos públicos devem ter como “bíblia” os atos que os instituíram e não invadir as atribuições alheias. O governo não pode legislar e nem julgar, o Legislativo deve apenas legislar e o Judiciário se ater e acelerar as suas altas missões de apurar e julgar contendas e crimes.  Só dessa forma é que poderemos chegar à almejada sociedade em que o indivíduo buscará cumprir a lei porque terá a certeza de que se não o fizer será justamente identificado, julgado e pagar pelos erros cometidos. Em tempo: se os ex-presidentes e demais políticos hoje presos e outros que ainda vierem a sê-lo devem continuar encarcerados e sofrer outras punições, é a Justiça quem deve dizer, à sombra de processos isentos, seguros e justos. Nada mais...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.