Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Tenho alertado a respeito do abandono da educação brasileira há muito tempo. Nos últimos tempos, intensifiquei o foco, escrevi vários artigos sobre o tema, porque a situação tem se agravado, não só pelo resultado constatado na aprendizagem dos estudantes, mas pelo estado cada vez mais precário das escolas públicas e do descaso para com os professores. E a pandemia veio agravar ainda mais o quadro, com as escolas fechadas – tanto a pública como a estadual – atrasando em dois anos o ensino brasileiro. Atrasando mais, muito mais, pois os estudantes não têm aula, muitos deles até hoje.  Além disso, nas últimas décadas foram feitas modificações no sistema de ensino – alfabetização, ensino da matemática, etc., que ao invés de melhorar a educação, prejudicaram ainda mais os estudantes do ensino fundamental, que estão chegando ao terceiro, quarto ano sem saber ler e escrever. E isso reflete nas etapas seguintes, é claro, no ensino médio e também no superior, pois se a base não é boa, todo o resto estará perdido. Sem contar que está havendo mudança no ensino médio. Será que para melhor?

A União e os Estados – o Ministério da Educação e as Secretarias de Educação – não estão dando a devida atenção à educação, não estão investindo na educação. Parecem não se dar conta de que um ensino de qualidade é condição sine qua non para que tenhamos, mais adiante, pessoas educadas e qualificadas para trabalhar e ter uma vida digna, para que tenhamos profissionais qualificados e dirigentes preparados, com um mínimo de cultura para desempenharem um bom governo à frente do país, dos Estados, dos municípios, das grandes empresas. Será que a pandemia do coronavírus, que parou tudo em todo o mundo, vai fazer com que isso melhore? Difícil, não é? Temos dois anos de educação ou de ensino – como queiram, pois é a mesma coisa, conforme o dicionário – para recuperar.

O próprio Mec já admitiu, publicamente, o que temos repetido várias vezes: mais de um terço das crianças do inicio do primeiro grau, com oito anos, nove anos, não aprenderam a ler e escrever, o que compromete, como já dissemos, toda a vida escolar.

Então os responsáveis pela educação brasileira concordam e sabem que o ensino fundamental e médio estão com a qualidade bem abaixo do necessário. Mas voltam a insistir na modificação no Ensino Médio que, ao invés de melhorar a qualidade, pode comprometer ainda mais. Há alguns anos, queriam que as treze disciplinas do Ensino Médio fossem aglutinadas em apenas quatro áreas, porque a excessiva quantidade delas estaria prejudicando o rendimento dos estudantes. Como já disse, isso é temerário, porque o que parece, na verdade, é que estão querendo diminuir o conteúdo curricular para que os estudantes possam tirar melhores notas no Enem e, por conseguinte, parecer que a educação brasileira melhorou.

A mudança atual no Ensino Médio é a adoção de um currículo profissionalizante, onde os estudantes poderão escolher as disciplinas conforme a profissão que escolhem. Tomara que não seja um tiro pelo culatra, como já foram outras “reformas” feitas pelo nosso famigerado governo.

A verdade é que, com o ensino deficiente, a qualificação para o trabalho e para o ensino superior estará prejudicada, como um ministro da educação de antes da era Bolsonaro conseguiu enxergar. E como isso é uma bola de neve, a formação de professores, como de outros profissionais, também não terá a qualidade desejada, pois o ensino superior é a última etapa da cadeia educacional.

Luiz Carlos Amorim – Escritor, jornalista, editor e revisor, Cadeira 19 na Academia SulBrasileira de Letras, Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, com 41 anos de literatura,. Http://www.prosapoesiaecia.xpg.uol.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.