Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No próximo dia 5, será votada a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) nº 135/2019, que estabelece a impressão dos votos pela urna eletrônica nas eleições, plebiscitos e referendos. O material impresso deverá ficar dentro de um recipiente lacrado para, havendo dúvida, servir de meio físico para a conferência. O que parecia um simples adicional de segurança, acabou se transformando em briga de cachorro grande. De um lado o ministro Luiz Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, fazendo campanha junto aos parlamentares para rejeitar a exigência, sob o argumento de que o processo eletrônico é seguro e não carece do complemento impresso. De outra parte, o presidente Jair Bolsonaro denunciando a insegurança das urnas sem o lastro impresso e falando de fraudes que teriam ocorrido nas eleições presidenciais de 2014 e 2018 e na possibilidade de se repetirem na de 2022. Sua fala enfática conduziu à suposição de estar em marcha um golpe para a não realização das próximas eleições.

É muito ruim um ambiente como o que hoje vivemos. Além da questão do voto impresso (e auditável), verifica-se agora o escandaloso aumento da verba pública do Fundão Eleitoral, que um jabuti colocado no projeto da recém-votada Lei de Diretrizes Orçamentárias, elevará os recursos dos R$ 2 bilhões empregados nas eleições de 2020 para R$ 5,7 bilhões em 2022. Bolsonaro que inicialmente só concordava em aplicar os índices inflacionários para a nova verba eleitoral, já se mostra propenso a aprovar R$ 4 bilhões e, por isso, passa a ser criticado até pelos hipócritas que aprovaram o aumento e embolsarão o dinheiro. E o povo, que recolhe os impostos e, em ultima análise, paga as despesas do governo, fica sem nada entender.

O custeio e a segurança das eleições brasileiras sempre foram incógnitas. No passado, quando dominavam as oligarquias, o voto era vergonhosamente fraudado porque o eleitor dizia em quem queria votar e o coletor de votos não lhe mostrava o que havia escrito na cédula. Na era getulista – decorrente da Revolução de 30 – criou-se o voto universal onde teoricamente o eleitor teve o seu sigilo garantido. A urna eletrônica, adotada em 1996, é o avanço do processo, mas hoje gera as duvidas que atormentam o meio político e a estrutura da Justiça Eleitoral.

Num país de dimensões continentais, como o nosso, com as eleições realizadas em caráter nacional (para presidente da República) e estadual (para governador, senador e deputados federais e estaduais), a campanha é onerosa. Os candidatos têm de viajar por todo o território num curto espaço de tempo. Daí a necessidade de jatinhos e outras modernidades de alto custo. E, depois dos escândalos de corrupção do mensalão e do petrolão, cujo resultado financeiro, pelo menos em parte, se destinava ao custeio de campanhas eleitorais, a Justiça Eleitoral decidiu proibir a doação empresarial para partidos e candidatos para com isso evitar a ação de empreiteiras que – segundo o apurado – fraudavam licitações e destinavam o resultado da fraude para a distribuição aos políticos. Como o processo eleitoral, no atual formato de eleições, custa caro, é preciso encontrar quem pague a conta. Essa tarefa acabou caindo sobre o cofre público que, além de arcar com o custo da máquina da Justiça Eleitoral, ainda tem o hoje discutido fundão que custeia as campanhas e ainda o Fundo Partidário, que sustenta os partidos políticos, cada dia mais numerosos e pouco significativos.

Vivemos uma encruzilhada, onde todos criticam o custeio público do processo eleitoral, mas também é proibida a doação de quem tem força para fazê-la através da corrupção. Discute-se a inviolabilidade do processo e a possibilidade de fraudes deliberadas ou não. São pendências que precisam ser resolvidas. Mas enquanto isso não ocorre  os participantes precisam ter mais consciência e evitar as escaramuças, que só servem para descredibilizar o processo perante o eleitorado. Não é àtoa que a cada ano que passa o povo tem menos apreço pelos políticos e aumentam nas eleições a abstenção e os votos brancos e nulos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.