Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Neste dia 11 de dezembro comemoramos o Dia do Engenheiro. São 86 anos desde a regulamentação dessa profissão que escolhi para minha vida, na década de 1980. Mesmo com mais de 30 anos de atuação, ainda me surpreendo com os avanços e inovações que estão ligados às engenharias, que têm em comum a missão nobre de promover melhorias para nossa sociedade, a partir de conhecimento e técnicas aplicadas.

Tenho visto histórias de vida e o reflexo das transformações de nosso mundo por meio dessa profissão. E o Paraná tem sempre um capítulo de destaque nessa trajetória da engenharia - por exemplo, quando teve a primeira engenheira civil do Brasil, Enedina Alves Marques, dando início a um processo de igualdade de oportunidades para homens e mulheres. Formada em 1945 e reconhecida como uma das maiores engenheiras do país, Enedina tem em sua trajetória obras grandiosas como a usina Capivari-Cachoeira, em Antonina, considerada a maior central hidrelétrica subterrânea do sul do país.

Ainda antes dela e até mesmo antes da regulamentação da profissão em 1933, tivemos muitos engenheiros formados pela então Escola de Engenharia criada em 1912, passando depois para Faculdade de Engenharia e finalmente integrando a grade de cursos ofertados pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Por muito tempo, o Paraná foi o responsável pela formação de muitos engenheiros em toda a América Latina, que era carente de oferta de cursos nessa área. Até 1970, por exemplo, só havia a formação de engenheiros no Paraná na nossa capital, sendo o início dos anos 70 do século XX  o marco de expansão de escolas de engenharia no interior, inicialmente em Londrina, Maringá e Ponta Grossa.

A escassez de oferta fez com que nosso Estado atraísse mentes brilhantes e desenvolvesse líderes de visão e ação, como o engenheiro civil Bento Munhoz da Rocha Neto, que além de ter sido considerado uma referência nessa área, tornou-se um dos mais importantes governadores do Estado, responsável pelas obras do Centro Cívico em Curitiba, com a edificação do Palácio Iguaçu, do Palácio da Justiça, da Biblioteca Pública do Paraná e do Teatro Guaíra, além de ser um dos fundadores da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel).

Hoje, a engenharia segue formando líderes que transformam nossas cidades, nossos campos, nossas casas, promovendo o desenvolvimento e o processo de melhoria contínua em nossas vidas, em nosso planeta. Só no Paraná, são cerca de 83 mil engenheiros registrados, trabalhando pelo progresso acelerado que temos visto em nosso dia a dia. Com apoio de muita inovação, situações que costumavam ter soluções morosas e dispendiosas são tratadas com a velocidade e a sustentabilidade que essa nossa era digital pede.

A energia limpa, que substituirá o uso de petróleo, será realidade em 15 anos. Segundo a consultoria britânica Wood Mackenzie, 2035 será o ano de virada, em que as fontes renováveis de energia – eólica, hídrica, solar – serão prioritárias em qualquer área, do transporte, passando pelo comércio, construção, até a indústria. Para haver condições de mercado para essa transformação, os engenheiros têm trabalhado em soluções mais inovadoras e disruptivas que em qualquer outro momento de nossa história.

Na construção civil, são as construtechs (startups do setor) que estão revolucionando o jeito de construir e de morar, com sistemas de chave digital, montagem de casas e prédios com processo industrial e tantas outras alternativas que mudarão para sempre  esse setor.

As transformações são rápidas. A engenharia caminha na mesma velocidade da revolução  4.0 que está impactando nossa existência e nosso jeito de viver. Os engenheiros que não  integrarem as novas tecnologias a suas entregas ficarão obsoletos. Mas há uma questão  central que não mudou, nem mudará jamais, não importa a velocidade que o mundo estiver girando: é a essência da engenharia, de qualquer engenharia, que é e pra sempre será a qualidade de vida do ser humano em nosso planeta . Tem sido assim desde o início dessa profissão e enquanto houver vida, haverá um engenheiro para  que ela seja aproveitada em seu melhor.

Engenheiro Civil Ricardo Rocha – Presidente do Crea-PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.