Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Além do agronegócio, que consolida cada vez mais sua importância na economia do Brasil, com impacto direto na geração de emprego e renda, o setor florestal do país também tem uma parcela significativa de contribuição para o desenvolvimento de nosso país em várias áreas estratégicas. Somos um dos maiores produtores mundiais de papel e celulose, responsável ainda pela exportação de madeira reconstituída com uso de modernas tecnologias.

Segundo a Indústria Brasileira de Árvores (IBA,2019), sob o aspecto econômico, a indústria de base florestal alcançou saldo na balança comercial de 2019 de US$ 10,3 bilhões, sendo o segundo melhor resultado dos últimos 10 anos. Somente as vendas para outros países representaram 4,3% das exportações do Brasil.

E quando falamos do aspecto social, os dados são ainda mais impactantes. O setor de árvores plantadas gera em torno de 3,75 milhões de empregos diretos, indiretos e resultantes do efeito-renda. Vale destacar ainda, neste cenário, projetos na ordem de R$ 35,5 bilhões, até 2023, que visam o aumento dos plantios, ampliação de fábricas e novas unidades.

Além do papel, celulose e madeira, o setor madeireiro é responsável por uma diversidade de produtos muito presentes no dia a dia do brasileiro, como painéis de madeira, pisos laminados, biomassa, carvão vegetal, móveis, além de produtos não madeireiros, como erva-mate, pinhão, mel, entre outros. Por conta disso, a profissão do Engenheiro Florestal assume papel de destaque para a sustentabilidade da produção e preservação do meio ambiente.

Com um campo de atuação profissional cada vez mais diversificado, os profissionais têm expertise para atuar na proteção e conservação de nascentes de rios; em soluções voltadas à crise hídrica; na produção de alimentos; na preservação de espécies ameaçadas de extinção, no reflorestamento, em análises de impacto e licenciamento ambiental, no desenvolvimento de tecnologia de produtos florestais.

São profissionais indispensáveis, por aliarem a produção à conservação de florestas e seus ecossistemas associados, assim como o cultivo e manejo de árvores, sejam elas nativas ou plantadas, e que, além da beleza cênica, são importantes componentes dos ecossistemas terrestres, com reflexos na regulação do clima, produção de água, pesquisas, lazer e turismo, para a manutenção de todas as formas de vida e economia.

Neste dia 12 de julho comemora-se o Dia do Engenheiro Florestal, profissão que iniciou sua jornada no país na década de 60, com a primeira Escola Superior de Florestas, na Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Viçosa (MG). Este foi um importante passo para o desenvolvimento das Ciências Florestais no país, que já soma 76 cursos, sendo quatro deles no Paraná, nas cidades de Curitiba, Dois Vizinhos, Irati e Jaguariaíva.

Atualmente já são mais de 1.800 Engenheiros Florestais atuando em todo o Estado, com registro junto ao Crea-PR, e que atuam dentro de empresas de base florestal, como consultores de meio ambiente e florestas, no setor público, no terceiro setor, como empreendedores e pesquisadores qualificados que disseminam conhecimentos científicos e tecnológicos para o desenvolvimento do nosso país.

Neste contexto, não posso deixar de citar o papel da Sociedade Brasileira de Engenheiros Florestais (SBEF) que, desde 1968, tem atuado na defesa da classe e pela representatividade nacional, com a proposição de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento, conservação e produção de diversos produtos.

Vale destacar ainda a atuação de entidades de classe regionais, como a Associação Paranaense de Engenheiros Florestais (APEF), Associação dos Engenheiros Florestais do Oeste e Sudoeste do Paraná (AEFOS), Associação dos Engenheiros Florestais da Região Centro-Sul do Paraná (AEFLOR) e Associação Sul-Paranaense de Engenheiros Florestais (ASPEF), entidades que têm ampliado a representatividade de profissionais, inclusive no sistema Confea/Crea.

O Crea-PR parabeniza todos os profissionais da engenharia florestal pelos importantes serviços prestados à sociedadee renova seu compromisso como autarquia responsável pela regulamentação e fiscalização de empresas e profissionais das áreas da Engenharia, Agronomia e Geociências e reforça seu papel fundamental na proteção do meio ambiente, saúde e qualidade de vida da população.

Por Ricardo Rocha, presidente do Crea-PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.