Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

É final de semana de novo e estes últimos dias amanhecera  gloriosos em Lisboa, com muito sol e a volta da luz única à cidade das sete colinas. Até saímos para comprar umas coisinhas e levar o Rio para tomar sol. Procuramos as ruas mais vazias, pois as principais estavam apinhadas de gente, parecia um dia normal antes da pandemia, mas é só o desconfinamento. Dá até a impressão de que os turistas estão de volta, pois a gente ouve pessoas falando em inglês, francês, alemão, etc. E toda essa gente na rua parece muito bonito, mas não sei até que ponto isso pode agravar a situação, pois muitos não usam máscara. Até ontem o número de mortes vinha caindo a cada dia, aqui em Portugal, mas hoje deu um pulo. Na sexta, por exemplo, foram seis óbitos, mas no sábado foram treze. Tomara que a curva do covid 19 não volte a subir.

O pouquinho que passeamos no centro de Lisboa deu pra ver que os jacarandás estão cada vez mais bonitos, mais floridos, e os tapetes azuis nas calçadas estão começando a se formar aos pés dos caminhantes. Há uma quantidade muito grande de jacarandás aqui em Lisboa, então a cidade, que já é bonita, fica mais bela ainda.

No último sábado, comemos cerejas frescas, novamente, e estão uma delícia. Também nêsperas, que estão grandes e doces. Preciso ir à quitanda para comprar pêssegos paraguaios, que está chegando o tempo deles, e morangos gigantes, que logo, logo, acabam. E eu tô ficando craque em trocar fraldas, dar comida, dar banho em bebê. Estou treinando com o Rio, meu neto de um ano, pois a vó está com o braço engessado, então eu vou ajudando. Ele é uma companhia muito querida, pois está sempre de bom humor, conversa muito no seu bebenês fluente e nos faz felizes.

E o Brasil continua com mais de 800 mortes por dia. É um número muito alto. Estou torcendo para que saia o resultado dos estudos sobre a hidroxicloroquina, para sabermos se realmente é uma droga eficiente contra a covid 19. Vi a entrevista de uma médica imunologista na Jovem Pan sobre a pandemia e ela disse que esse remédio pode funcionar no início da contágio, ao contrário do que vínhamos ouvindo até agora. Seria bom se ela fosse eficaz e não houvessem efeitos colaterais graves, pois um tratamento que ajude no início é tudo o que precisamos. Porque a vacina vai demorar bastantinho. Seria bom, também, se houvesse um Ministro da Saúde que permanecesse no cargo por mais tempo e que não sofresse intervenções de quem não é médico. Teríamos mais chances de lutar eficientemente contra a doença.

Então vamos continuar a nos cuidar. Cuidem-se muito. Cuidando de si, estarão cuidando dos outros.

Luiz Carlos Amorim – Escritor, editor e revisor – Cadeira 19 da Academia Sulbrasileira de Letras. Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, que completa 40 anos em 2020. Http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.