Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

E o calor intenso continua neste Janeiro de 2021, o ano da vacina para acabar com a  covid 19.  Chove à noite, quase todos os dias, o que já é alguma coisa. Escrevi um pouco e li jornais, nestes dias quando a gente evita sair de casa, além de ver meu seriado favorito. Tenho lido um pouco, também, que é bom poder usufruir de um pouco de poesia em dias tão difíceis, quando a pandemia está aumentando, devido ao descaso do povo, que se aglomera em praias, festas, baladas, etc. E sorvendo boas prosas, também. Neste mês de janeiro os números já estão altos demais, ultrapassando de novo mil mortos por dia e chegando à mais de oitenta mil novos casos em alguns dias. Já passamos a nefasta marca dos duzentos mil mortos no Brasil.

Nosso neto Rio mora em Lisboa. Lá em Portugal está muito frio, está nevando até no Alentejo. Em Lisboa, as mínimas beiram a temperatura de neve, dois graus. E a segunda onda da pandemia está muito forte por lá, também. Os números também batem recordes:  mais de cem mortos por dia e quase dez mil novos casos confirmados diariamente. O Rio tá certo em ficar em casa bem agasalhado. Ele está sempre ocupado, brincando, cantando, contando histórias, pintando, tocando violão de verdade – ele tem um para o tamanho dele -, ou contrabaixo de mentirinha, lendo e ouvindo música. Ele está sempre de bom humor, graças a Deus. Neste mês de janeiro, completa um ano e ove meses. É um cara muito fofo, que fala pelos cotovelos o seu bebenês fluente.

E, apesar da vacina acenar pra gente, aqui no Brasil, a pandemia continua mais forte e a extrema pobreza ameaça milhares, milhões de brasileiros, que não têm emprego e, portanto, nenhuma renda com a crise instalada com o coronavírus, por causa dos fechamentos de quase tudo, na tentativa de conter a doença. Uma nova rodada do auxílio emergencial tornou-se um dos temas centrais na disputa pelo comando do Congresso Nacional. Na Câmara, os dois principais candidatos já se posicionaram a favor de discutir a retomada dos pagamentos. Com mais de 200 mil vítimas fatais da covid-19 no País, a pressão é crescente entre os parlamentares e já entrou no radar do Ministério da Economia. A equipe econômica avalia que, caso seja necessário renovar o benefício, o valor precisará ficar abaixo dos R$ 300 pagos entre setembro e dezembro do ano passado, o que resolveria quase nada, cá pra nós. Mas é preciso fazer alguma coisa. O próprio ministro da Economia já admitiu publicamente a possibilidade de renovação do benefício, com a segunda onda da covid-19, mas nenhum movimento foi feito até agora, à espera de sinalizações do Ministério da Saúde e do presidanta Bolsonaro. O discurso, segundo os donos do poder, é que um benefício de R$ 300 ou mais é financeiramente insustentável. Mas se não houver o auxílio emergencial, a economia afundará ainda mais, pois as pessoas não terão dinheiro nenhum para girá-la, além do que nos colocará à beira do colapso total, pois as pessoas passarão fome e não terão onde morar, sem dinheiro e sem trabalho.

O Brasil tem registrado mais de mil mortos por dia, na última semana, chegando a mil e quatrocentos e tantos, num dos dias. São números estratosféricos que tendem a aumentar, já que estamos quase completando duas semanas das festas de ano novo, quando as aglomerações pelo país bateram recorde, com quase ninguém usando máscaras. Os casos confirmados já totalizam mais de oito milhões de brasileiros que já tiveram ou têm o novo coronavírus.

Vamos nos cuidar. É preciso. Mesmo que a vacinação comece, precisamos continuar nos cuidando, pois só estaremos seguros depois que mais de oitenta por cento da população do mundo estiver vacinada. Então, até lá, precisamos seguir os protocolos sanitários, usando máscaras, cumprindo o distanciamento físico, lavando as mãos, saindo de casa apenas se for estritamente necessário. A banalização da doença só fará com que ela se agrave. Há que nos conscientizarmos disso.

Luiz Carlos Amorim – Escritor, editor e revisor – Cadeira 19 da Academia Sulbrasileira de Letras. Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, que completa 40 anos em 2020. Http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.