Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

De acordo com o governo federal, o Estado do Paraná é a unidade mais rica do Brasil.

Há mais de 30 anos os paranaenses estão sendo assaltados diariamente com o advento da instalação das praças de pedágio em estradas de pontos estratégicos. A finalidade dessa cobrança se trata da preservação das estradas e, de acordo com os contratos, as concessionárias deveriam ter construído pistas duplas em muitos trechos, com pavimento de fazer inveja a países de primeiro mundo. Não foi o que aconteceu nestas três décadas de roubo descarado contra a população, que não suporta mais ser enganada.

Apareceu um governador que na campanha política prometeu aos eleitores a respeito dos valores praticados se não houvesse a diminuição ele esbravejava aos quatro ventos da publicidade afirmando que iria acabar definitivamente. Trata-se de Roberto Requião de Melo e Silva, com larga experiência no setor público, mas, em nada correspondeu no posto de executivo, nem tão pouco no Legislativo. O povo não partidário tem vergonha desse infeliz que prometeu e não cumpriu.

Agora com o vencimento do contrato – em novembro desse ano -, o governo federal está se mobilizando para a instalação de mais 15 praças nas rodovias - entendendo de que o Paraná é a unidade mais rica da federação -,com o objetivo de tirar o pouco que ainda resta, com a tendência de diminuir os valores das atuais praças em operação.

Eu me lembro de que foi no fatídico governo de Jaime Lerner a negociação nefasta contra o povo, em 1997, utilizando um mecanismo tão bem feito, sem possibilidade nenhuma em cancelar esse negócio fraudulento contra a sociedade. Fui o único jornalista a bater de frente contra os poderosos. Mas, como uma só andorinha não faz verão, eu cheguei a comentar de que os homens públicos da época iriam se arrepender por ceder aos ladrões da máquina pública.

Os valores a serem praticados deveriam apresentar os mesmos preços ou equivalentes ao de Santa Catarina, cujas rodovias são infinitamente superiores em relação ao nosso Estado, onde se pratica na média de R$ 3 reais. É importante lembrar que, mesmo assim, não se justifica, pois já existem outros impostos para a finalidade na preservação das rodovias.

Para o governo do Paraná, a tendência será ludibriar mais uma vez a população, mesmo porque, caso permaneça as praças cobrando, a administração pública se desobriga na restauração dos desgastes e ainda arrecada com impostos gerados pelos serviços pedagiados.

Acredito que o leitor deverá se atentar para essas colocações.

Edilson Elias - é jornalista, professor, historiador do Paraná, diretor presidente do jornal FATOS DO PARANÁ e membro da Academia de Letras, Ciências e Artes de Londrina -  edilsonelias@yahoo.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.