Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A ciência é bem capaz de demonstrar que o observador conhece sua pesquisa, sempre, dentro dos balizamentos estabelecidos por determinado ponto de referência. Vale dizer, o conhecimento não pode ser isolado, mas deve, necessariamente, ser contextualizado, parametrizado, cotejado com certos referenciais, capazes de conferir maior densidade às conclusões a que porventura se chega.

Essa premissa pode muito bem ser transposta para a análise acerca dos trinta anos de vigência do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Sem dúvidas, trata-se de diploma normativo que se apresenta como expoente da segunda dimensão dos direitos fundamentais, marco das tutelas coletivas e summa divisio em matéria de proteção das pessoas em desenvolvimento.

Nesse sentido, a proposta de comparação do advento do ECA com o período precedente, regido pelo “Código de Menores”, revela verdadeiro ponto de inflexão em um processo de avanço civilizatório, haja vista, dentre outros aspectos, a absorção normativa da doutrina da proteção integral (ECA, art. 1º).

Em outras palavras, alinhou-se a um sistema de proteção prioritário dos direitos fundamentais das crianças e adolescentes, oponíveis ao Estado, à família e à sociedade, optando-se pela atuação conjunta, para que seja disponibilizada à população infantojuvenil toda assistência necessária ao seu completo desenvolvimento.

Posicionou-se, também, o ECA, pelo reconhecimento da criança e do adolescente como sujeitos de direitos e não mais como personagens de segunda classe ou mesmo caudatários da cidadania.

Em decorrência dos valores assumidos, o Estatuto elenca a obrigatoriedade em se assegurar todas as oportunidades e facilidades para o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social das crianças, em condições de liberdade e de dignidade (art. 3º).

A partir de tais preceitos, observou-se significativo avanço nas políticas públicas implementadas no segmento de que se está a abordar, sedimentando-se algum consenso em se atribuir ao Estado o dever inescusável, indelegável e inadiável de assegurar o mínimo existencial para aqueles a quem foi confiado, ainda que involuntariamente, o futuro da Nação.

Resultado disso pode ser constatado no trabalho dos Conselhos Tutelares, no planejamento definido pelos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente, nas Varas Judiciais, Promotorias de Justiça e Delegacias de Polícia especializadas e na visibilidade conquistada em relação ao tema, do que não se furtou a jurisprudência, consolidada sobretudo no âmbito dos tribunais superiores (e.g. STJ. REsp. 440.502/SP. Rel. Min. Herman Benjamin. J. 15.12.2009), afastando incisivamente argumentações de cunho estritamente financeiro ou, em alguma medida, refratárias às prioridades definidas pelo próprio constituinte.

Importa, também, o destaque para o direito à educação, considerando-se que o acesso ao ensino, em condições adequadas, constitui-se em pressuposto para o atingimento das finalidades do Estado Brasileiro (CF, arts. 1º e 3º) sendo, por isso, o acesso à educação básica obrigatória e gratuita (CF, art. 208, I) tido como direito público subjetivo (CF, art. 208, § 1º).

Foram notáveis os avanços na educação, detectados especialmente na universalização do acesso, propiciada por “ações integradas dos poderes públicos das diferentes esferas federativas” (CF, art. 23, V), a exemplo dos patamares mínimos de gasto (CF, art. 212); das medidas equalizadoras, voltadas ao estabelecimento de uma espécie de subvinculação dos recursos, trazidas pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) (ADCT, art. 60); assim como dos desenhos de participação social, inspirados na gestão democrática do ensino, o que se ilustra com a instituição dos Conselhos de Acompanhamento e Controle Social (CACS), responsáveis pela análise das contas e comunicação de supostas irregularidades a outros órgãos de controle.

O quadro, todavia, não se apresenta igualmente alvissareiro se adotados outros referenciais, como o IDH ou índices de mensuração da qualidade do ensino, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Três exemplos podem ser colacionados.

Primeiro. Conforme o Pisa, de acordo com o Relatório Nacional Pisa 2012 – Resultados Brasileiros, mais de 60% dos alunos brasileiros, acima de 15 anos de idade, não estavam plenamente habilitados, naquele ano, ao exercício da cidadania, por insuficiência de letramento e baixo nível de proficiência em matemática.

Segundo. A educação infantil, em que pese sua relevância, inclusive sob o enfoque social e econômico, padece com o desprezo das autoridades, com o efeito das improvisações e com a insuficiência da oferta, estampada nas conhecidas demandas manifestas por vagas.

Terceiro. Gradativamente os resultados na área da educação distanciam-se das metas idealizadas pelo Plano Nacional da Educação (2014-2024). Menciona-se apenas a Estratégia 7.21 que previa que a União, em colaboração com os entes federados, estabeleceria, no prazo de dois anos, parâmetros mínimos de qualidade dos serviços da educação básica, a serem utilizados como referência para infraestrutura das escolas, recursos pedagógicos, entre outros insumos relevantes, bem como instrumentos para adoção de medidas para o incremento da qualidade de ensino.

A melhoria qualitativa pressupõe o ensino em período integral, a capacitação dos profissionais, a diminuição da relação entre o número de professores e o de alunos, a elevação do percentual de professores com nível de ensino superior, a reestruturação programática e a construção de uma escola mais atraente e desafiadora.

Tal quadro desperta enorme inquietação, pois a ausência da proteção eficiente na política pública voltada à oferta da educação obrigatória, para além de violar direitos elementares e aprofundar o cenário de desigualdade social, submete as crianças e os adolescentes a danos irreparáveis, trazendo-lhes consequências negativas nos aspectos neurológico, social, pedagógico e econômico.

Intensifica a preocupação o fato de que, contrariamente à disciplina prioritária dos recursos destinados à educação, sucessivas emendas constitucionais implantaram uma sistemática de desvinculação de receitas, tendente a reduzir as disponibilidades orçamentário-financeiras que capacitam o Estado a assegurar direitos sociais.

Os trinta anos da moderna proteção aos direitos das crianças e dos adolescentes devem, certamente, ser celebrados. Quer com invulgar júbilo, em razão dos avanços experimentados; quer com esfaimado desafio, em decorrência do caminho que ainda pende ser percorrido. Tudo depende do referencial.

Hirmínia Dorigan de Matos Diniz -  Procuradora de Justiça do MPPR, que entre 2008 e 2018 atuou na Promotoria de Justiça de Proteção à Educação de Curitiba

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.