Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“De boas intenções o inferno está cheio” diz o ditado popular que, possivelmente, quer dizer que não basta ter uma série de normas e regras junto com a boa intenção de segui-las. É fato que as normas morais, assim como a própria construção da sociedade, não são frutos de uma ordem transcendente, mas sim uma criação dos próprios seres humanos como agentes da história. Diria que esse é o espaço da nossa responsabilidade coletiva e, por isso mesmo, assustadora. É muito mais tentador acreditar que as nossas vidas já foram predestinadas pela vontade divina ou ainda pelo destino. De protagonistas passamos, repentinamente, a meros coadjuvantes!

Claro, somos construtores da história. Protagonistas do nosso próprio espaço e do nosso próprio tempo. Todavia, preocupa-me o que fazemos com nosso espaço e com o nosso tempo. Quais os critérios que utilizamos a fim de construir o que chamo de espaço-tempo? Em última análise, qual o critério ético para a construção de relações solidárias na história e de um espaço de construção ética de cidadania planetária?

Creio que o mais importante dos critérios seja o da vida humana.  Toda vez que este princípio for ameaçado por uma norma, seja ela moral, política, econômica ou religiosa, esta norma deve ser desobedecida e alterada. Cabe ressaltar nesse momento a necessidade de cada cidadão conhecer as normas de funcionamento das mais diversas instituições para saber se elas estão ou não respeitando o direito à vida de cada ser humano.

Dessa forma, perguntas de fundo religioso se fazem inevitáveis: os fins religiosos justificam todos os meios possíveis? Justifica-se tudo por causa da entrega religiosa, até mesmo o abuso do poder político-econômico? Poderia ser aceito como preceito religioso aquilo que é manifestamente desumano, que claramente prejudica e fere o ser humano?

A reflexão sobre o humano nos indica caminhos de peregrinação comum, tais como: uma profunda convicção da unidade fundamental da família humana e da igualdade e dignidade de todos os seres humanos; um sentimento da inviolabilidade do indivíduo e de sua consciência; um sentimento de valor da comunidade humana planetária; a consciência de que o poder não se identifica com a justiça, de que o poder humano não é autossuficiente nem pode ser absoluto.

A reflexão sobre o humano nos permite recuperar a dimensão do homo sapiens que foi ofuscada quase mortalmente pelos desejos infinitos e irrefreáveis do homo economicus.

Diante de uma economia de mercado e de uma religião de mercado somente cabe a resposta da soberania do humano sobre as relações políticas, econômicas, morais e religiosas para se construir uma sociedade onde caibam todos.

Luiz Alexandre Solano Rossi é doutor em Ciências da Religião e professor da graduação em Teologia Interconfessional do Centro Universitário Internacional Uninter.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.