Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Desde os anos 80, quando se popularizaram os computadores pessoais, a internet e o telefone celular, vivemos em permanente mutação. Esses três elementos uniram-se num mesmo processo e desbancaram coisas tradicionais como as máquinas de escrever e calcular, o telefone fixo e os sistemas de circulação de informações. Milhares de digitadores, operadores de máquinas e outros profissionais perderam seu lugar no mercado. Os computadores de hoje "conversam" entre si e emitem (ou recebem) instruções dos equipamentos outrora operados exclusivamente pelos humanos. A robotização veio para dar velocidade e baixar custos, mas também eliminou empregos e renda. Pereceu quem, por falta de visão ou oportunidade, não se reciclou para receber a nova tecnologia. Processos de produção que empregavam dezenas de homens e mulheres hoje são movimentados por apenas um ou dois que se qualificaram.

Agora, por conta da pandemia que obrigou à quarentena, explode a criação de lojas virtuais, que vendem seus produtos pelo computador, smartphone e até pelo velho, mas ainda presente, telefone. Não podendo receber a clientela pessoalmente, comerciantes mais ágeis colocaram suas mercadorias na internet para não ficar com os negócios totalmente parados. Segundo a associação que controla o comércio eletrônico, de março para cá foram abertas 107 mil lojas eletrônicas no país. Isso equivale a mais de uma nova loja por minuto. Antes do quadro epidêmico, eram 10 mil por mês, num mercado que já estava em alta.

Calcula-se que, pelas dificuldades impostas ao comércio presencial, as vendas online tenham crescido 40%. A preocupação é sobre o que virá quando acabar a pandemia. Quanto dos negócios voltará ao balcão depois de ter experimentado a venda virtual, que não exige loja, luminoso, vitrine, endereço caro, vendedores uniformizados, horas-extras e outros desembolsos? Muitas empresas que possuem lojas tradicionais, praticam preços menores que os do balcão em seus sites de venda. Tão inferiores em certas mercadorias, que estimulam o cliente a comprar virtualmente, mesmo tendo de pagar as despesas de entrega. Para o comerciante, a loja virtual tem a vantagem de captar clientes de todo o país (até do exterior) e, para o cliente, traz o  conforto e a segurança de comprar sem sair de casa. É mais uma variável que pode encurtar as vagas de trabalho.

Todos os que compreenderam a revolução que o computador provocaria, obtiveram vantagens dessa máquina e de seus complementos. Mas é bom continuar atentos porque, no próximo ano, chega ao Brasil a internet em 5G, que promete ser até 100 vezes mais rápida que a 4G, hoje utilizada. Igual ao computador de 40 anos atrás, poderá ser mais uma devoradora de empregos. Mas, em contrapartida, trará vantagens a quem a entender e dominar. É por isso que governos, legisladores, escolas, centros de tecnologia e os cidadãos (os maiores interessados) precisam criar alternativas de difusão desse novo salto tecnológico e oportunizar o treinamento do maior número possível de brasileiros. Esse é o tipo de Educação que necessitamos, e seu resultado tende a ser imediato, na mesma velocidade das máquinas que estão por vir...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.