Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Levantamento do Conselho Federal de Medicina constatou o que milhões de brasileiros sentem na pele todos os dias: falta atendimento médico para boa parte da população. Segundo o estudo, enquanto a média é de 5,1 médicos para 1.000 habitantes no Distrito Federal, o número cai drasticamente para 1,07 médico a cada 1.000 pessoas no Pará. De uma forma geral, faltam mais profissionais nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.

O levantamento do CFM mostra que entre os principais motivos para a ineficaz distribuição destes profissionais no país está a má gestão da saúde pública. Muitos ressaltam a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) na pandemia e, de fato, todos os profissionais de saúde envolvidos nesse processo necessitam do nosso reconhecimento e respeito.

Por outro lado, a pandemia também evidencia a péssima qualidade da gestão da saúde pública no Brasil. Nesse sentido, o estudo do Conselho Federal de Medicina reforça a necessidade urgente de se implementar a boa governança neste segmento, sempre essencial para o bem-estar da população.

Sem inciativas que orientem as diretrizes da boa governança do serviço de saúde, todo esforço no combate ao coronavírus pode não surtir o efeito que todos esperam. Um exemplo: O Ministério da Saúde informou que contratou mais de 6 mil profissionais de saúde desde o início da pandemia. A distribuição desses profissionais segue o modelo atual ineficiente ou há planejamento adequado, direcionando-os às regiões de fato necessitadas?

O direcionamento parece simples, mas não tem sido colocado em prática. Por mais que seja difícil de acreditar, em plena pandemia, com o número de mortes e de infectados crescendo a cada dia, temos hospitais recém-construídos que ainda não funcionam devido à falta de médicos.

Já passou da hora de o SUS ter melhor gestão e realmente oferecer saúde de qualidade para todos os brasileiros – em qualquer lugar do território nacional. São urgentes e necessárias as ações em prol do planejamento, organização e capacitação dos atores envolvidos na administração pública. Sem isso, não vamos avançar. E com o risco de mais vidas perdidas.

Antonio Tuccílio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.