Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A saída das mãos dos srs. Renan Calheiros, Omar Aziz, Randolfe Rodrigues e outros integrantes do G7 (grupo dos 7 oposicionistas) na CPI da Covid – que atuaram política e ideologicamente fantasiados de justiceiros ao velho estilo dos filmes de faroeste - devolve às apurações a credibilidade perdida ao longo dos seis meses de gritaria fantasiosa, midiática e mal-educada da Comissão. O simples fato de o relatório final – mesmo apontado desde o inicio na direção do presidente da República, filhos e auxiliares – também incluir deputados federais e pedir o indiciamento de 80 pessoas, revela o exercício pelo menos incomum da investigação. As imputações de comportamentos não tipificados como crime e, mais ainda, a opção por desconhecer, entre outras, as denúncias de que governadores e prefeitos teriam desviado recursos federais da Covid para pagar precatórios, salários do funcionalismo e outros compromissos dos seus governos, conduzem o trabalho para o descrédito e o naufrágio. .

A avalanche de suposições inclusas no relatório – crimes contra a humanidade, charlatanismo e outros - passa doravante pela análise do Procurador-Geral da Republica (no que toca ao presidente da República e outros detentores de foro privilegiado) e de outras instâncias do Ministério Público quando envolvem empresas e cidadãos sem foro especial. Bom que essas instituições, por sua natureza, não agem com motivação político-partidária e, de outro lado, são dotadas de competência técnica e obrigação funcional de produzir conclusões seguras e compatíveis com o ordenamento jurídico vigente. A análise nesse nível poderá desclassificar boa parte do que a CPI apresenta como produção. O que sobreviver, por apresentar alguma racionalidade, consistência e lógica, receberá análise e parecer do MP que, conforme o entendimento dos seus membros, poderá propor a abertura de ações contra os responsáveis dos atos apurados ou o seu arquivamento.

Ninguém do povo – especialmente a grande maioria não atrelada politicamente - é contrário à apuração de possíveis irregularidades na administração pública e em atividades que envolvem o dinheiro do contribuinte e os interesses da população. A investigação, no entanto, deve ser isenta e atender a critérios legais. Jamais poderia ser sequestrada por interesses político-partidários e outros, como ocorreu na CPI que, mercê de suas atividades, chegou a receber as pejorativas qualificações de circo (a CPI) e palhaços (seus membros). Comparação que, pela imagem negativa, mereceu o justo e veemente repúdio dos circenses com a advertência de que, quando fizeram coisas indevidas, os membros da Comissão não deveriam ter sido chamados de palhaços, mas de senadores (pois é o que são).

Quando se vai investigar irregularidades ou omissões que podem levar os envolvidos a sanções políticas, administrativas ou à criminalização na barra dos tribunais, a imparcialidade e a discrição dos investigadores são requisitos básicos. Sem isso, não há credibilidade para o convencimento das autoridades competentes para aplicar as sanções. Bem apurados os fatos, provada a existência do erro (ou crime) e a identidade dos seus cometedores, a única alternativa é punir. Mas suposições, fantasias e vontade política não devem ser confundidas e nem figurar como prova.

Espera-se que, apurado sem o viés belicoso da CPI, o objeto seja devidamente investigado, todas as dúvidas desfeitas e os possíveis erros sanados para, no final, seus autores sejam julgados e, quando for o caso, apenados na justa medida dos problemas que suas ações causaram. Quiçá, os competentes órgãos apuradores tenham, também, meios para analisar as possíveis falhas, exageros e impropriedades da própria CPI e seus autores tenham de, pelo menos, se explicar. Chega de pão e circo, ou pior, de circo sem pão! (perdoem os circenses pela comparação injusta mas, infelizmente, constante do ideário popular). 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.