Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

De tempo em tempo, surge à nossa frente o surrado tema do controle da mídia. São históricas as lutas do próprio meio – jornal, rádio e televisão – em momentos cruciais quando governos, segmentos políticos e forças ideológicas tentaram colocar o tacão sobre a liberdade de imprensa. É verdade que, no passado, os meios de comunicação serviram de arautos das contendas políticas neste país e até tiveram grande influência em governos e, também, na oposição. Chegaram a transformar seus donos e principais integrantes em congressistas e até governantes ou, então, eram sustentados por quem almejava o poder. Há muitos casos de jornais que nasceram porque alguém, com dinheiro no bolso e disposição, pretendeu ser prefeito, governador, deputado, senador ou até presidente da República. E isso não constitui problema, desde que do conhecimento da comunidade e principalmente dos anunciantes. Ainda hoje lembramos dos jornais e emissoras de rádio e TV que pertenceram a esse ou àquele político e todos sabiam, mesmo seu nome não figurando no expediente. E tais veículos prestaram bons serviços às suas comunidades.  .

Depois daquela fase em que cada um tinha seu atrelamento, e por conta das transformações políticas do país, vivenciamos o tempo em que os meios e comunicação posaram de “isentos”, “imparciais”, diziam ter “compromisso só com o povo”  e exigiam essa discrição de seus profissionais. Grande utopia, pois. como empresas, precisavam subsistir. Assim foi até que, no empuxo da redemocratização pós-1985, os políticos ficaram mais ativos e os governos foram gradativamente abrindo as burras com boas verbas publicitárias e institucionais. Reclamou-se durante todo o tempo que alguns veículos – grandes e bem relacionados no poder – ficavam com a parte do leão e pouco ou nada sobrava aos pequenos, principalmente os do interior.

Mesmo tendo o controle através do cofre, o governo do Partido dos Trabalhadores ainda tentou criar o controle social da mídia que nada mais era do quer a volta da censura, proibida pela Constituição (artigo 5º, inciso IX). Os empresários da área perceberam a jogada, protestaram e a mordaça não se consumou. Nesse mesmo tempo surgiram as mídias via internet e hoje os seus operadores sofrem a falta de liberdade e até a violência institucional contra seus direitos de manifestação. Devemos reconhecer que parte deles extrapolou seus direitos de liberdade de comunicação. Mas, em vez de tirá-los do “ar”, desmonetizar seus trabalhos e até encarcerá-los, as autoridades deveriam, por similaridade, submetê-los ao mesmo regime jurídico da mídia tradicional. Processá-los pelos atos cometidos e, se for o caso, obrigá-los a indenizar as possíveis vítimas. Mas nunca aplicar-lhes algo que seja ou possa parecer censura.

Quando assumiu, o presidente Jair Bolsonaro já estava brigado com a imprensa. Uma de suas providências iniciais foi revisar – para menor – as verbas publicitárias que durannte anos irrigaram os sistemas de comunicação. Isso levou empresas antes pujantes a demitir significativa parte do seu elenco – que mantinha ganhando altos salários sem trabalhar para não atuar para os concorrentes – e a revisar seus esquemas operacionais. É difícil concluir se o enxugamento das verbas teve como objetivo a economia de recursos ou se foi retaliação. O certo é que o presidente “apanha” todos os dias e troca farpas com jornais, TVs, jornalistas e artistas que perderam a renda não laborada. Isso tensiona o ambiente, além de incentivar oportunistas a entrarem no circuito.

É importante lembrar que, mesmo sob fogo intenso, o governo não tenta medidas de restrição. Pelo contrário, é acusado e até responde por suposto uso exacerbado do meio de comunicação – o famigerado “fake-news”. Sonhamos com o dia em que os membros do poder – tanto os eleitos quanto os nomeados – tenham convivência harmoniosa e pacífica com os meios de comunicação. E que estes estejam consolidados, economicamente saudáveis e em condições de prestar o melhor dos serviços à cultura, educação e ao bem-estar da sociedade.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.