Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As leis são como nuvens. Quando elaboradas, representam o pensamento e o interesse do povo, que podem se alterar com o passar do tempo. É para equalizá-las com a configuração celeste atual que existem as supremas cortes, zeladoras da Constituição e, por extensão, de todo o ordenamento jurídico de um país porque, para vigorar, toda lei tem de ser constitucional. Se não for, perde a eficácia e vai para o arquivo. A lembrança é do amigo Ronaldo Moribe, companheiro de memoráveis jornadas durante décadas. O assunto veio à mesa diante do risco explícito de crise institucional. Os titulares dos poderes da República divergem, perdem a aconselhável calma e deixam a Nação preocupada.

Como em toda parte do mundo, a suprema corte – no Brasil o Supremo Tribunal Federal – é a guardiã da Constituição. Sua função básica é pugnar para o cumprimento da Carta Magna em sua integralidade, tanto na aplicação direta quanto na legislação decorrente. No entanto, criou-se nacionalmente o hábito de recorrer à Justiça naquilo que os políticos – representantes do povo – não conseguem resolver no próprio meio. Quanto mais polarizada a política, mais demandas ao Judiciário por parte de uns e a reclamação de outros quanto à judicialização e interferência do Judiciário em prerrogativas do Executivo e do Legislativo. Se levarmos em consideração que o Judiciário age (ou pelo menos deveria agir) só quando provocado, não é difícil supor onde está o problema.

É um perigo quando o Judiciário é acionado para resolver questões políticas. Os políticos dão provas de ineficiência para cumprir suas tarefas e, por outro lado, os magistrados podem se sentir com superpoderes, vendo-se tentados a invadir a seara alheia, quando deveriam, no máximo, interpretar como está no momento a “nuvem” das leis. Também jamais desperdiçar o poder e a representatividade de suas investiduras na solução de questiúnculas políticas ou administrativas. Sua missão básica é, no muito, dizer se o pretendido é (ou não é) constitucional. Com esse simples cuidado, não se imiscuir em competência alheia e, principalmente, não correr o risco de ser mal interpretados ou se tornar partes nas questões.

Desde que passaram a ter suas sessões transmitidas pela TV, os ministros do STF tornaram-se fontes de notícias e polêmicas e são procurados para entrevistas. O ideal seria que se preservassem e – como faz a maioria dos juízes de carreira – não comentassem assuntos que possam lhe depois cair às mãos para julgar, pois isso os deixaria impedidos ou, pelo menos constrangidos. O Judiciário é o último recurso de que a sociedade dispõe para ver resolvidas as suas contendas. Seus membros devem ser discretos e eficientes para transmitir segurança e tranqüilidade àqueles que baterem à sua porta. Não devem participar do debate público pois sua missão é garantir a melhor interpretação e cumprimento da Constituição e, sempre que necessário, mantê-la à serviço da coletividade.

Juiz – não importa a instância – não é político. Deve evitar entrevistas sobre processos sob sua decisão e, principalmente, manifestações que possam sugerir alinhamento. Se quiser fazer política, deve de deixar a função e concorrer às eleições...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.