Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Prevê o economista-chefe do Banco Mundial para América Latina e Caribe que o Brasil perderá este ano 5% do seu PIB (Produto Interno Bruto), em razão da pandemia do coronavírus. Será percentualmente a maior das quebras no patrimônio produtivo nacional durante os últimos 120 anos e possivelmente da história, já que esse índice começou a ser apurado em 1901, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Só estivemos perto disso em 1990, quando o presidente Fernando Collor confiscou a poupança e tentou combater a inflação por decreto e o PIB caiu em 4,35%, e em 1981, quando a crise da dívida externa nos levou à perda de 4,25% do PIB anual. As quedas mais recentes foram de 3,5% em 2015 e 3,3,% em 2016, no descontrole que levou ao fim antecipado do ciclo do Partido dos Trabalhadores no poder. Não serve de consolo, mas é importante destacar que pior do que o Brasil estarão a Argentina, com queda de 5,2% e Equador e México, que encolherão 6%, segundo a previsão do organismo econômico internacional.

Essa previsão catastrófica aumenta a responsabilidade das autoridades e dos influenciadores da economia nacional. É preciso combater a pandemia pelo seu lado médico e de Saúde Pública, mas não devem negligenciar no trato econômico do problema. O país precisa estar em condições de voltar a produzir e faturar assim que a pandemia terminar. Os governos, eleitos para administrar a coisa pública e cuidar dos interesses da população, têm o dever de encontrar o ponto de equilíbrio entre as vertentes. Não bastará apresentar um eficiente trabalho na área de saúde e, ao final, legar ao povo uma terra economicamente arrasada. É preciso, acima de tudo, abandonar as fogueiras de vaidade e a interesseira linha político-eleitoral para pensar exclusivamente no bem da Nação.

Embora a prioridade seja o combate à Covid 19 e sua velocidade de infestação, há de se entender que ela é passageira e existem instalados no país males endêmicos como dengue, sarampo, zika e chickungunya entre outros, que também afetam a população e nesse ano já mataram silenciosamente 200 brasileiros. É necessário tomar medidas eficazes e com os menores efeitos colaterais porque há o risco destes serem maiores do que o próprio mal. Já assistimos outros surtos e epidemias e em nenhuma deles decretou-se o recesso geral como o hoje em vigência. Os responsáveis por essas medidas precisam se certificar de que essa é a única providência cabível porque, em caso contrário, terão muitos problemas a enfrentar além, é lógico, da impopularidade que poderá advir do sofrimento e da miséria da população desempregada, desesperada e com fome...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.