Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Depois de tantos anos de irresponsáveis experimentações, que enfraqueceram os poderes do Estado e da sociedade e transformaram o país no paraíso do ativismo e dos interesses daqueles que lucram com projetos, ONGs e similares, o Brasil e suas instituições voltam-se para a reorganização. Começou pela montagem do ministério sem a barganha com congressistas e segue agora com outras medidas. A Câmara dos Deputados aprovou a divisão prazo de 120 dias de validade das medidas provisórias para que elas sejam discutidas e votadas. Os deputados terão 80 dias e os senadores outros 30, ficando 10 dias para o caso do projeto sofrer mudança no Senado e ter de retornar à Camara nova votação. Isso evita qu a Câmara use a quase totalidade do tempo e deixe o Senado com apenas alguns dias ou horas  para tramitar e votar as MPs, côo ocorreu dias atrás, na MP 870∕19, que reduziu  o número de ministérios.  

Outra medida forte, em tramitação pelo Senado, é o projeto que impede o ministro do Supremo Tribunal Federal de decidir individualmente sobre ações contra atos do Executivo e Legislativo. A proposta é de que as ADI (Ações Diretas de Inconstitucionalidade) e as ADPF (Ações de Descumprimento de Preceito Fundamental) sejam decididas exclusivamente pelo plenário da Corte, composto por 11 ministros. Isso acabará com o protagonismo e reações contrárias da população sobre ministros.

Outro problema que deverá encontrar em breve uma solução é a existência de decretos que só podem ser revogados por leis. Isso contraria a lógica jurídica que determina a revogação de uma lei por outra lei, decreto por decreto e portaria por portaria. O presidente Jair Bolsonaro que, assumindo um governo com linha programática diferente à dos anteriores já assinou 147 decretos, contesta a exigência de lei (que implica na votação pelo Congresso) para tornar sem efeito decretos antigos, especialmente na área ambiental. Na sua opinião, esse é um recurso ilegítimo aplicado no passado para travar o pais.

Além das grandes reformas estruturais, é preciso recolocar o pais nos eixos eliminando as pegadinhas e as facilitações indevidas que os espertos intrujaram ao longo dos anos na estrutura oficial. A política que aparelhou e enfraqueceu o poder do Estado nos conduziu às crises econômica e social. Precisamos ter agilidade para operar no mundo globalizado, atrair investimentos e com isso gerar empregos, melhorar a segurança pública e outros itens de primeira necessidade ao país. É fundamental o encontro do equilíbrio e a harmonia entre os poderes para que cada um, na sua área de atribuições e sem invadir terreno alheio, dê a sua contribuição para o progresso, o bem-estar da Nação e a manutenção da democracia. Chega de ativismos, protecionismo e ações temerárias!

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.