Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A ação de investigação de paternidade veio para tutelar aqueles que não possuem a garantia de sua origem paterna, com a função de investigar seu verdadeiro genitor. A relação entre pai e filho é um vínculo afetivo e registral e ninguém pode “abrir mão dele”

Essa filiação se prova pela certidão de nascimento no registro civil, existem inúmeros casos em que a criança nasce mas não é reconhecida pelo pai biológico ou até mesmo por omissão da mãe, a criança não tem informações sobre quem é o pai. Através desse fato é possível que se ingresse na justiça com uma ação de investigação parental.

Como funciona esse Procedimento?

A parte interessada deverá comunicar ao judiciário quem é o suposto pai.

Caso o autor da ação seja menor de idade terá ele que ser representado por sua genitora, ou por qualquer responsável legal.

Para que se comprove o vínculo de paternidade será realizado um exame de DNA entre o suposto pai e o filho. A data da realização do exame será designada pelo juiz após a defesa do suposto pai.

Caso o pai se negue a realizar o exame sem qualquer motivo justificado faz surgir a presunção de paternidade ou seja ficará subentendido que de fato é o pai do investigante mesmo sem a comprovação do exame de DNA.

Caso o exame de DNA seja positivo?

Com o resultado positivo o pai via de regra efetua o reconhecimento de paternidade perante o Ministério público, realizando o encaminhamento do termo ao registro civil, para que seja realizada a averbação do NOME do pai e dos avós paternos , com isso a parte interessada garante todos os seus direitos como filho.

Caso o exame de DNA seja negativo?

Com o resultado do exame de DNA negativo o procedimento administrativo do suposto pai é encerrado e arquivado, cabendo a mãe de maneira sigilosa a indicação de outra pessoa como suposto pai.

Quem paga o DNA?

O valor do teste de DNA será de responsabilidade da parte solicitante, podendo ter uma ajuda de custo, pagando um valor mais acessível, nos casos onde se constata a falta de condições financeiras. Este requerimento de ajuda ao Poder Público pode demorar, pois o pedido entra em uma lista de espera que é bastante longa.

O pagamento é feito por quem solicita o reconhecimento de paternidade, mas se este ganha a causa deverá ser ressarcido dos gastos.

 A 3ª turma do STJ estabeleceu que cabe ao Estado custear o exame de DNA em ação de investigação de paternidade para os beneficiários da assistência judiciária gratuita.

Conclusão

À investigação de paternidade tem sua principal função o amparo não só da mãe, mas sim do bem da criança, não somente no que diz respeito ao amparo financeiro, mas também na criação e educação do mesmo, de modo que a responsabilidade também seja do pai, na função de garantir educação e bem-estar da criança, Pois através da paternidade decorrem direitos e obrigações como pensão alimentícia dever de guarda e assistência, direitos de convivência familiar e direitos de herança.

Sebastião Nunes da Rosa - Advogado de Família - Londrina - Paraná

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.