Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Itália acaba de aprovar a emenda constitucional que reduz o tamanho do parlamento. A Câmara encolherá dos atuais 630 para 400 deputados e o Senado de 315 para 200 senadores. A medida, que teve 553 votos favoráveis e 14 contrários, deverá proporcionar  economia de 100 milhões de euros (equivalentes a R$ 448 milhões) por ano e, de quebra,  tornará mais ágeis as atividades dos congressistas daquele país, o segundo maior da Europa em número de deputados e senadores, superado apenas pela Inglaterra. A notícia chama a atenção por si e pela imagem que o povo brasileiro tem do Congresso, diuturnamente criticado (justa ou injustamente) pelo volume de gastos. O parlamento brasileiro consome R$ 10,8 bilhões por ano, sendo o segundo de maior gasto do planeta. Mais que isso só o dos Estados Unidos. Um flagrante contraste, pois os EUA possuem a maior economia do mundo, enquanto o Brasil é apenas o 9º colocado e, este ano, administra um rombo de R$ 124 bilhões nas contas públicas.

Diminuir o numero de deputados e senadores é uma proposta praticamente permanente em nosso país. O presidente Jair Bolsonaro, quando em campanha, defendeu a redução para 400 deputados. Hoje ele promove a reforma da previdência, inicia a administrativa e deverá enveredar pela da política. Talvez ainda tenha condições de propor a redução do número de cadeiras parlamentares. Mas já existe, na Câmara dos Deputados, a PEC (Proposta de Emenda Parlamentar) nº 431/18, de autoria do ex-deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), que propõe a redução de 513 para 390 deputados federais, de 81 para 54 senadores (em vez de três apenas dois por estado) e de 24% de deputados estaduais. Leitão não concorreu à reeleição à Câmara; foi candidato ao Senado e ficou em quarto lugar.

A PEC 431 foi arquivada no inicio do ano, mas em março, deu-se seu desarquivamento  a pedido do deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) e hoje o projeto está na Comissão de Constituição e Justiça aguardando a designação de relator, para começar a tramitar. Segundo cálculos do autor, se colocada em vigor, a redução das cadeiras proporcionará ao Congresso Nacional uma economia de R$ 1,3 bilhão a cada quatro anos e de R$ 2,1 bilhões ás Assembleias Legislativas estaduais. São 1059 os deputados estaduais com mandato nas 27 unidades federadas. Uma redução de 24%, conforme prevê o texto, reduzirá o número de cadeiras para 800.

O numero de parlamentares é apenas um item de economia. Além dele, o país ainda precisa encontrar um meio de conter a profusão de partidos políticos – a maioria nanicos – e encontrar fórmulas menos onerosas para sua sustentação e custeio das campanhas eleitorais. São as reformas que a sociedade espera... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.