Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Tenho a impressão de que todos se esqueceram da Lei da Ficha Limpa. Lembram-se dela? Aquela que define regras para os políticos se candidatarem a cargos públicos. Recentemente, ela completou 11 anos de existência e, a um ano das eleições presidenciais, faz sentido relembrar os principais conceitos desta que foi (e é) um marco no combate à corrupção no Brasil.

A Lei da Ficha Limpa foi resultado de uma intensa mobilização popular. Apesar de inúmeras tentativas de descredibiliza-la, ela se manteve sólida e está aí, extremamente necessária. E precisa ser valorizada.

Afinal, ao que parece 2022 entrará para a história do Brasil como o ano de disputa entre extremos – incluindo um possível candidato com dívidas ainda pendentes com a Justiça. Mais do que nunca, é necessário reforçar que essa lei é um dos poucos mecanismos que temos para fiscalizar os políticos e estarmos protegidos contra a corrupção.

Como brasileiro, não consigo aceitar pacificamente os atos de corrupção. Trata-se de um crime contra a sociedade, que precisa ter punição exemplar. A Lei da Ficha Limpa deve ser aplicada com todo o seu rigor.

Para começar, é essencial que os políticos sigam a legislação. Aqueles que têm problemas a resolver, o façam o quanto antes e só depois voltem a participar das eleições. Não venham tentar subverter a lei em seu benefício próprio. Estamos cansados disso.

Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.