Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Não é a primeira vez que o mundo é contaminado com um vírus que provocou pandemias de toda a sorte, dizimando muitas vidas por irresponsabilidade de quem tem certa obrigação com a preservação da vida. A China responsável pelas mais graves disseminações de vidas microscópicas nocivas ao ser humano, com um governo ditatorial mostra seus líderes ofendidos por serem acusados de manipuladores e pelo conhecimento de todos tudo que os chineses fazem, invariavelmente, sempre existe o interesse econômico.

Temos um exemplo bem frisante aqui entre nossos hermanos argentinos com gestão nacional comprometida com o sistema governamental chinês já entregou boa parcela de empresas completamente endividadas e o povo refém das barbaridades vem passando dificuldades de toda sorte. Junto com o advento do COVID-19, pessoas de vários estados brasileiros receberam correspondência chinesa, com sementes de criação duvidosa e, mais uma vez, os mandatários daquele país estão tentando jogar a culpa nas mãos de outros, afirmando claramente de que o Correio daquele país é integrado com a União Postal Universal (UPU), agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) que coordena políticas e serviços postais entre as 190 nações e regiões autônomas e o sistema postal internacional. É bom lembrar e esclarecer de que essa organização foi estabelecida pelo Tratado de Berna, em 1874, com sede suntuosa em Berna, capital da Suíça, sendo a segunda mais antiga, depois da União Internacional de Telecomunicações, e tem como missão coordenar políticas e serviços postais integradas com diferentes países membros, sem interferir em suas políticas internas dentro dos estados. Desta forma, cada administração postal é livre para definir como distribuir suas correspondências.

Para explicar com maior clareza, não obstante os chineses – de acordo com especialistas da área científica – terem manipulado esse vírus mortal em laboratório que dizimou pessoas saudáveis em todo o planeta, agora enviaram esses pequenos envelopes plásticos com sementes, pelo que se pode observar também manipulado em laboratório, não se sabem a finalidade ainda, que pode contaminar o rico solo do Brasil que, sem dúvida é o maior celeiro de alimentos do mundo e que dependendo desta infestação ser comprometido com sua produção. Um fato de vital importância apenas para elucidar algumas respostas, o jornal americano The Washington Post havia alertado em 2018 para a suposta falta de segurança do Instituto de Virologia de Wuhan, na China e que poderia surgir uma pandemia semelhante ao surto da SARS, outra contaminação mortal.

A pergunta que não quer calar. Os chineses manipularam ou são inocentes?

Edilson Elias é jornalista, escritor, historiador do Paraná, membro da Academia de Letras, Ciências e Artes de Londrina e diretor presidente do jornal FATOS DO PARANÁ®

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.