Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O aumento do número de policiais e militares eleitos – de 18 em 2014 para 73 em 2018 – é o sinal de um novo tempo. Cansados de ver suas corporações e as instituições da sociedade e do Estado enfraquecidas pelos demagogos que povoaram a cena política e fazem de tudo para destruir valores e inverter raciocínios, esses homens e mulheres resolveram entrar em cena. Chegam às casas legislativas com a cultura de submissão às leis e regulamentos, reinante no meio de onde vêm e lastimavelmente enfraquecida pelos falsos democratas que pugnam por um Estado fraco e pela política de direitos humanos que só reconhece os criminosos e faz questão de não ver que dentro do policial também há um ser humano. Foram eleitos na quantidade e com a expressiva votação porque a sociedade, insegura e vitimada pelos desmandos e omissões das últimas décadas de enfraquecimento social, clama mudanças.

Com esse número de policiais e militares ocupando os assentos legislativos, ficará mais difícil prosperarem iniciativas estapafúrdias, como o desarmamento das polícias, e se tornará possível buscar a recuperação de conceitos e ordenamentos que a demagogia conseguiu enfraquecer em beneficio dos bandidos e prejuízo do cidadão de bem. Quem comete crimes tem de pagar e não sair pela porta da frente da repartição policial rindo dos que o conduziram perante a autoridade. Há muita desordem criada por esse tempo de irresponsáveis que tem de   jurídica. Os falaciosos discursos ideológicos e os demagógicos e omissos governantes destruíram ao longo dos anos procedimentos que são comuns a qualquer sociedade organizada, independente de regime político ou ideologia. Isso nos conduziu à grave crise em que nos encontramos.

Generais, coronéis, majores, capitães, tenentes, sargentos, cabos, soldados, delegados,  agentes de diferentes áreas e até a família de policiais (como a deputada eleita Adriana Borgo, esposa de policial militar de São Paulo), decidiram emprestar sua competência, visão e patriotismo nessa tarefa de salvação nacional. O resgate do Brasil das mãos dos celerados políticos e ideológicos que, infelizmente, têm dado o tom na vida nacional. Oxalá consigam reconduzir nossas instituições à regularidade de procedimentos e devolver à população a tranquilidade e a segurança necessárias. Dessa forma, estarão dando sua mais alta colaboração à consolidação da democracia, hoje desmerecida  pelos ataques às tradições da população e enlameada pelos atos de corrupção daqueles que, no propósito de se perpetuarem no poder, recorreram à corrupção e, por obra da democracia consolidada e fortalecida, certamente serão alcançado pela Justiça e levados a pagar pelos seus crimes...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.