Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Há muita gente que, quando ouve a palavra conservador, vê no âmago do seu coração brotar um vibrante instinto assassino. Esses abençoados, invariavelmente, não sabem o que dizem, mas sentem com uma tremenda intensidade uma raiva hedionda palpitando entre suas costelas.

Também há inúmeras figuras, figurinhas e figurões que se auto proclamam conservadores - de buena estirpe como eles mesmos dizem - mas só o são da boca pra fora. Seu oportunismo e superficialidade não enganam ninguém. Mentira. Engambelaram muita gente boa e muitos caboclos de sangue ruim.

E, é claro, há uma penca de pessoas com uma baita inclinação conservadora, só que não o sabem, inclusive entre aqueles que engrossam as fileiras rubras do apocalipse do falso-profeta barbudo, com sua coleção de furúnculos. Tal fenômeno é estranho, sei disso, mas, como havia dito, há pencas e pencas de pessoas assim, incônscias de sua condição.

Michael Oakeshott lembra-nos que há, em todo ser humaninho, uma disposição conservadora. Uma disposição natural, sem carimbo acadêmico, forjada de prudência, ceticismo e bom humor. Prudência sem sofisticação, ceticismo sem afetação e bom humor sem papas na língua. Era desse jeito que nossas avós eram e é mais ou menos assim que um conservador procura ser.

Uma pessoa cônscia dessa disposição conservadora jamais espera uma solução geral e final para os problemas humanos, porque do ser humano, de cada um de nós, pode-se esperar as melhores e as piores coisas possíveis, pensáveis e, é claro, impensáveis por nós no momento.

Seja um tiozão do zap, ou um moço garboso de gravata borboleta lendo um livro de Roger Scruton, um conservador é uma pessoa que sabe o quão importante é o cultivo do famigerado senso das proporções, popularmente conhecido como bom senso.

Todos nós, uma vez ou outra, agimos sem um mínimo de bom senso. Não apenas isso. Corremos o risco de, num futuro não muito distante, agirmos assim, trocando os pés pelas mãos, tendo em vista que somos o que somos: humanos. Porém, não existe nada mais sem proporção do que uma ideologia política que move seus devotos a crerem que sua visão de mundo é mais preciosa que o próprio mundo com as pessoas que o habitam.

Uma ideologia – seja ela o marxismo, o nazismo, o fascismo, o racismo, o feminismo e similares – invariavelmente colocam sua concepção de humanidade no lugar da pessoa humana, fazendo da falta de bom senso, fruto de sua ânsia por construir uma nova ordem, a medida de todas as coisas.

Se fôssemos resumir em poucas palavras, conservadorismo é isso. Não é uma ideologia. É uma contra ideologia. Como nos ensina G. K. Chesterton, bem como Camilo de Oliveira Torres, o conservadorismo seria a valoração do homem comum, com suas idiossincrasias demasiadamente humanas, a compreensão de que somos imperfeitos e falíveis.

Trocando em miúdos: o homem comum não sabe o que fazer com as queimadas sazonais que ocorrem pelo mundo e na Amazônia também, mas não deixa de plantar inúmeras árvores para formar, como eles mesmos dizem, um bom arvoredo; eles não sabem como resolver os problemas de saúde que assolam o mundo, mas não deixam de visitar seus vizinhos e conhecidos que estão enfermos, nem deixam assisti-los no que for necessário.

Toda pessoa, com essa disposição natural, que não tenha sido maculada pelos delírios acadêmicos e ideológicos, sabe que colocar a humanidade (um ente abstrato) acima da pessoa humana singular é a fórmula mais do que perfeita para nos levar ao flagelo de um totalitarismo genocida.

Olhar para uma promessa utópica - dum futuro hipoteticamente radiante, perfeito, lindo e fofo - sem confrontá-la com a experiência acumulada por gerações e mais gerações para, desse modo, frear nossa sanha justiceira revolucionária, sempre acaba nos levando a construção de uma tragédia. Uma tragédia que poderia ser evitada, mas que muitas vezes não foi. Infelizmente, esse é o resumo do resultado obtido por todas as promessas utópicas que sonhavam e sonham com um paraíso sem Deus na terra e que, por sua própria natureza, sempre terminaram, e sempre terminarão, por erigir um inferno terreno do jeitinho que o encardido gosta.

Enfim, uma vez ou outra o espírito revolucionário grita nas cavidades cavernosas de nosso coração, perguntando: “Por que não?!” Se isso ocorrer, lembremos de dar ouvidos a voz da inclinação conservadora que habita em nós que dirá, com um sorriso sarcástico no rosto: “ora, porque não”.

Compreendamos que sempre há inúmeras variáveis que uma consciência ideologicamente deformada não leva em consideração. Não leva e não quer levar.

Resumindo o entrevero: se não somos capazes de ser céticos com relação às nossas convicções, acabaremos agindo de forma inconsequente e terminaremos por sermos figuras incapazes de rir de si e de sorrir com os outros, por termos nos fechando para a Graça por, soberbamente, nos considerarmos umas gracinhas cheias de protagonismo.

Escrevinhado por Dartagnan da Silva Zanela - dartagnanzanela@gmail.com

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.