Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A infestação de coronavírus e, principalmente, as mortes que dela poderão decorrer são os mais graves problemas hoje enfrentados pelo país e pelo mundo. Mas da forma que a questão está se encaminhando no Brasil, ainda teremos de purgar adicionalmente a crise econômica e social. Tanto que o presidente Jair Bolsonaro, em pronunciamento nesta terça-feira (24), pediu a governadores e prefeitos que abandonem o “conceito de terra arrasada” e voltem atrás nas questões do fechamento do comércio, escolas e outros estabelecimentos e do confinamento em massa. Considerando que o grupo de risco é nas pessoas a partir dos 60 anos de idade e são raros os casos fatais em menores de 40 anos, pregou que se reabra as escolas e possibilite o funcionamento do país, adotados os devidos cuidados entre as pessoas para evitar a infecção.

Neste momento, mais grave do que os riscos concretos é a polarização política. A conhecida falta de tato do presidente somada à oposição e oportunismo de seus contrários – muitos deles em postos importantes da República - potencializam o embate e o clima de discórdia, prejudicial ao momento de crise pandêmica. É preciso compreender que o país não dispõe de lastro econômico para sustentar por muito tempo a cessação da atividade produtiva. Por mais que possam fazer, tanto os cofres públicos quando o bolso do  empresariado só suportarão até certo ponto. É preciso fazer tudo para evitar a chegada da quebradeira nos negócios pois, aí sim, a verdadeira crise econômica se instalará com o aumento do desemprego, problemas de abastecimento e convulsão social. Só 6% da população têm alguma poupança e o caixa das empresas pequenas e médias, que constituem 80% do segmento, não suporta mais do que 27 dias sem produção. Há que se considerar, ainda, que os vulneráveis – trabalhadores informais, ambulantes, moradores de favelas e outros – precisam gerar sua renda todos os dias ou, então, passam fome. Nada mais perigoso do que uma população de esfomeados.

Existem muitas teorias sobre o combate ao vírus e a devastação econômica por ele trazida. É hora dos detentores do poder se unirem em busca da melhor solução. Presidente, governadores e prefeitos têm de deixar em segundo plano suas divergências políticas e ideológicas e os planos de futuro, para atenderem ao imperativo do momento. Eles têm a obrigação de criar o protocolo que mais se ajuste à situação brasileira, de seus estados e municípios em relação ao vírus. Sempre com o cuidado de evitar que os efeitos colaterais do “remédio” sejam mais devastadores do que o mal combatido.

Senhor presidente, governadores, prefeitos, simpatizantes e antipatizantes. Compreendam o momento difícil e deixem de lado tudo o que possa desuni-los e enfraquecer o combate do mal. Não façam do coronavírus uma maldita bandeira eleitoreira. Seus eleitores e toda a Nação esperam dos senhores grandeza e senso de responsabilidade. Não permitam que as vaidades, os interesses pessoais, políticos ou ideológicos coloquem tudo a perder. A pandemia vai passar e depois dela, cada um que siga o seu caminho, mas todos com a certeza do dever cumprido...    

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.