Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Toda vez que se coloca a ideologia no lugar de outros valores da sociedade, em vez de resolver, cria-se problemas. Assim tem sido no nosso país ao longo das décadas. Direita e esquerda se confrontam há um século. Ambas já tentaram tomar o poder pela força e deram-se mal. Só se estabeleceram as rupturas que tiveram o apoio popular (a Revolução de 1930 pilotada por Getúlio Vagas, e a de 1964, quando os militares assumiram o poder). Então, o que fazem hoje os ideológicos de plantão? Tentam meter suas idéias na cabeça do povo, independente se verdadeiras, falsas ou descomprometidas. O importante é alcançar o poder e para isso fantasia-se, mistifica-se, mente-se. Na Nova República – pós 1985 – mentiu-se ao povo que com democracia tudo se revolveria, e deu no que deu. Ficamos sabendo da pior forma que isso não era verdade e, principalmente, que o que havia no Brasil não era uma autêntica democracia, mas apenas um formato democrático.

A crise hoje vivida decorre da impropriedade da democracia à brasileira. Ela não se preocupou com a manutenção do “imperium” do Estado e até procurou enfraquecê-lo. Alardeou o empoderamento do povo e das minorias mas não cumpriu seus deveres de proteção. Em vez de criar um ambiente salutar para a política de mercado, meteu o Estado nos negócios, criou o sistema de favorecimento político e ensejou a corrupção. Hoje o povo brasileiro vê um grande país, mas este é incapaz de oferecer os empregos necessários, proporcionar a segurança devida e de apresentar perspectivas concretas. É por isso que carecemos de reformas para extirpar do Estado as impropriedades que lhes foram atreladas pelos interesseiros que lutavam pelo interesse próprio, não pelo povo.

O pior é que a população está instada a se mobilizar pelos valores que os oportunistas lhes transmitiram durante décadas como ideais e geraram a crise. Os nefastos ideológicos têm de ser colocados nos seus devidos lugares para não continuarem atrapalhando. Os governos têm o dever de trabalhar pelo aperfeiçoamento da máquina pública, eliminar os excessos e impropriedades e mirar sua ação na direção do bem-estar da comunidade. A reforma da Previdência já foi aprovada com medidas severas e garantidoras da continuidade do sistema. Agora ensaiam-se mudanças administrativas, tributárias e políticas, sem as quais o país quebrará. Os radicais – tanto de esquerda quanto de direita – fogem do debate concreto dos problemas e tentam transformar tudo em ideologia. Talvez pela distância dessa discussão árida e interesseira em relação aos problemas vividos no cotidiano, a população tem, hoje em dia, péssima avaliação dos políticos. Esquerda e direita foram significativas há mais de 200 anos, no âmbito da Revolução Francesa. Mas em todo esse tempo, mais atrapalharam do que ajudaram e, por isso, precisam ser relegadas exclusivamente à História. Pouco importa se o governante ou o político é simpático à esquerda ou à direita. O importante é que, acima desses velhos formatos, ele faça a coisa certa...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.