Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nunca imaginei que, um dia, fosse ver brasileiros falando mal do Brasil e prejudicando nossa economia no competitivo mercado internacional. Nem que presenciaria as eleições presidenciais norteamericanas se transformarem numa contenda judicial. Isso rompe com tudo o que nos foi ensinado sobre democracia e respeito ao veredicto popular manifestado através do voto.

Tanto cá quanto lá, os maus perdedores recorrem a interpretações viciadas e enganosas e a expedientes ardilosos na tentativa de não homologar a vontade soberana do povo. Essa atitude merece todo o repúdio e enérgica reação dos verdadeiros democratas. Uma vez realizada a votação, com as regras conhecidas (e tacitamente aceitas) pelos concorrentes, não há do que se reclamar.

No caso da eleição nos EUA, mais do que o nome do vencedor, interessa ao mundo que o processo se complete sem máculas e disponibilizando ao eleitorado o governante efetivamente representativo da maioria que nele votou, sem subterfúgios nem novações. A maior e mais poderosa democracia do mundo, que se vangloria de ter uma Constituição ativa e ininterruptamente vigorando ha mais de dois séculos, não pode se perder no voluntarismo de candidatos ou de grupos que se curvam a interesses ideológicos e só aceitam o resultado se estiverem ganhando.

Para nós, brasileiros, deveria ser indiferente a vitória de Trump ou de Biden. O vencedor terá obrigatoriamente de cumprir as leis, respeitar nossa soberania e ponto final. Mas os brasileiros, que deveriam estar mais preocupados em eleger bons prefeitos e vereadores, no pleito marcado para os próximos dias 15 e 29, perdem seu tempo com as escaramuças yankes.

Em vez de ter candidatos nos Estados Unidos, os nossos políticos, especialmente os detentores de mandato, deveriam evitar a odiosa campanha contra o governo federal e aos adversários eleitos para os governos estaduais. Em vez de rotulá-los e tentar impedir que trabalhem, seria melhor deles exigir ação e cumprimento das promessas feitas em campanha e - os que assim pretenderem - se apresentarem como candidatos em 2022, com propostas melhores que a dos atuais governantes cuja maioria se candidatará à reeleição.

Outro ponto que os políticos deveriam evitar é acionar o Judiciário para decidir questões político-administrativas que não conseguem resolver no Legislativo ou na relação deste com o Executivo. Depois que o fazem, não adianta reclamar de interferência dos julgadores nos dois outros poderes institucionais. Lembrem-se que, via-de-regra, a Justiça só se pronuncia quando provocada.

Presidente, ministros, congressistas, governadores e outras lideranças brasileiras têm o dever de gerir o país e suas instituições. Não devem perder seu tempo e vigor com os problemas dos outros países. Em vez disso, façam a "lição de casa" e não radicalizem ou se percam em retórica e ideologia porque, se assim continuarem procedendo, a imagem da classe política só poderá seguir em queda livre perante a Nação. Respeito é bom e o eleitorado merece...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.