Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A queda de Joaquim Levy da presidência do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) representa mais que uma simples mudança no governo. Com o formato escolhido – o de tirar o chão do auxiliar que o desagradava – o presidente Jair Bolsonaro deu seu tapa na mesa e reafirmou o propósito de abrir a chamada “caixa preta” da instituição, que deu vultosas somas a países governados pela esquerda através de empreiteiras que pagavam propina e que, ainda, financiou o gigantismo de grupos locais hoje investigados e processados. Como ministro da Fazenda do governo Dilma, época em que os atos agora contestados se consumaram, e tendo petistas em postos-chave, Levy certamente não tinha interesse em desvendar o período pois suas pegadas e responsabilidades se explicitariam. A ruptura também representa a prioridade governamental em desestatizar a economia, transferindo ao capital privado as ações de empresas hoje em poder do banco. O BNDES, que atualmente é sócio de 101 empresas, deverá voltar à meta inicial de financiar a infraestrutura e a pequena e média empresa.

É importante que o banco devolva os recursos que tomou do Tesouro – R$ 500 bilhões durante os governos petistas – e cobre as prestações atrasadas dos empréstimos que concedeu ao exterior, especialmente a Cuba, Venezuela e países africanos, cujas parcelas estão atrasadas. Todos esses recursos deveriam estar movimentando a economia brasileira e não servindo aos governos aliados de Lula e Dilma. Da mesma forma, os recursos do banco, que são públicos, não poderão continuar custeando a formação de trustes que, em vez de contribuir para o avanço do mercado, eliminam a concorrência e são gravosos à economia nacional.

Ao mesmo tempo em que o governo busca o novo dirigente para o BNDES, a associação dos funcionários do banco chama, para esta quarta-feira (19), quando a instituição completa 67 anos, um ato contra a “impatriótica desconstrução do BNDES”. O governo e o próprio banco que fiquem atentos e evitem os excessos. Não cabe aos servidores fazer pressão contra a política do governo para uma instituição estatal e, se isso acontecer, será falta funcional. O governo eleito tem lastro nos votos recebidos para fazer a mudanças e não devem ser servidores e instituições remanescentes da era petista os indicados para impedi-lo. Pelo contrário, o aparelhamento ideológico deve ser eliminado e substituído pelo profissionalismo.

Estamos entrando num período delicado. Além da mudança no BNDES, há o ritual de passagem da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados e das apurações sobre o hackeamento, violação e divulgação das conversas telefônicas e por aplicativos entre o ministro Sérgio Moro, procuradores da Lava Jato e outras autoridades. Espera-se que o país saia desse quadro mais fortalecido do que está entrando...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.