Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No momento em que a pandemia do coronavírus apresenta sinais de desaceleração, o Brasil se apressa na obtenção da vacina para livrar a população das medidas restritivas que o mal epidêmico deixa como rastro. Três vacinas logo estarão à disposição para imunizar as pessoas e permitir a volta à normalidade possível ou ao que muitos vêm qualificando como o “novo normal”. A federal Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) se prepara para aqui produzir a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford (Inglaterra), o Instituto Butantã (São Paulo) monta estrutura para fabricar a chinesa Coronavac,  e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) faz os preparativos para ter a vacina russa Sputnik V.

A Fiocruz já dispõe do aporte financeiro e da parceria com o Ministério da Saúde para iniciar a produção e testes. Em São Paulo, o governo estadual já começou os trabalhos e pede ao Ministério da Saúde o aporte de R$ 1,9 bilhão – quantia semelhante à empregada na Fiocruz – prometendo ter as vacinas para aplicação até dezembro. O Tecpar enviou esta semana seus executivos a Brasília para negociar com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) as licenças para produzir e testar a Sputnik V, com a previsão de ter o primeiro lote em 50 dias.

Sempre que ocorre um mal epidêmico, o rastro deixado causa transtornos porque, para evitar a reinfecção e a volta do mal, é preciso manter o quadro de restrições. Isso tumultua a vida das pessoas e debilita a economia porque muitos setores não conseguem funcionar a plena carga. Com a chegada das vacinas, a tendência é logo poder chegar mais perto da normalidade. A função vacinal é dar imunidade ao indivíduo para, mesmo em contato com o vírus, não adquiri-lo de forma a adoecer e, principalmente, retransmitir. Os registros dizem que a pandemia da Gripe Espanhola, que chegou ao Brasil em 1918, além do seu pico e das mortes causadas, demorou dois anos para ser considerada extinta. Com os recursos científicos e a disposição ultimamente manifestada pelos cientistas e governos, certamente abreviaremos o tempo da restrição pós-Covid 19.

É importante destacar que as três instituições que hoje trazem ao Brasil as vacinas inglesa, chinesa e russa são centros de excelência. A Fundação Oswaldo Cruz é sucessora do Instituto Soroterápico Federal, onde o médico Oswaldo Cruz – cujo nome hoje é dado à instituição em sua homenagem – desenvolveu a vacinação contra a febre amarela, no começo do século passado. Esteve presente na imunização da população em todos os eventos epidêmicos que acometeram nosso país. Butantã e Tecpar são centros de excelência. É importante que o setor tenha todo o aporte financeiro e logístico dos governos para mais uma vez levar avante a tarefa de garantir a sanidade da população. E que os políticos, que tanto divergiram durante a pandemia, assimilem a lição de que, diante do perigo, todos perdem se não estiverem unidos e fortes...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.