Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Existem no Brasil 65.644 veículos elétricos. Numero de agosto último, relatado por uma  empresa dedicada à expansão do uso de eletricidade, inclusive automotiva. A presença dessa frota demonstra que a opção é um caminho sem volta, principalmente porque as indústrias  automobilísticas, pressionadas pelas políticas ambientais e incentivadas pelo desenvolvimento de baterias eficientes, já têm programação para migrar seus produtos do motor à explosão para o elétrico e, com isso, “descarbonizar” o planeta, como dizem os ambientalistas. O noticiário dá conta de que o mercado brasileiro de veículos elétricos é crescente e se amplia em função de importantes variáveis. A disponibilidade de fontes de abastecimento e recarga das baterias é básica, mas também se cita a grande diferença entre o custo de rodar com combustíveis líquidos e com eletricidade e, mais recentemente, a alta internacional do petróleo. Atribui-se, até, como motivo dessa corrida ao elétrico, o custo elevado do álcool anidro adicionado à gasolina e dos óleos vegetais que completam o diesel.

Fontes do setor revelam que a comercialização de veículos elétricos cresceu 66% em 2021 e o ano deverá terminar com o emplacamento de 28 mil novas unidades. Os primeiros veículos movidos à eletricidade começaram a circular por aqui em 2015 e vêm aumentando. O fator de inibição é o seu preço – o mais barato custa quase R$ 150 mil – mas, na outra ponta, há a diferença do custo do quilômetro rodado. Segundo relatórios de pesquisas disponíveis, é de 84% a economia por rodar com eletricidade em vez de com gasolina, o que compensa até mesmo o preço elevado do veículo. Existem ainda outras variáveis e comparações, como a existência de 2500 peças num veículo convencional e apenas 250 no elétrico. Isso baixa o custo e a necessidade de manutenção. Com custo menor de combustível e consertos, os transportadores – ônibus, caminhões, taxis, vans e assemelhados – poderão baixar o preço dos seus serviços, atraindo mais clientes e favorecendo a economia e desenvolvimento do país.

O fenômeno de eletrificação não é novo. As primeiras experiências de carro elétrico ocorreram a partir de 1859, quando o belga Gaston Planté apresentou ao mundo a bateria de chumbo e ácido. A partir dali muitos experimentos com veículos foram realizados, mas o petróleo venceu como insumo energético. E – registram os operadores do novo carro elétrico – o setor ainda hoje enfrenta a oposição das petroleiras e dos produtores de etanol e outros combustíveis líquidos.

O objetivo desse artigo não é apresentar o carro elétrico, mas alertar as autoridades (Executivo e Legislativo) e os centros do saber, para a necessidade de se apressar com a normatização, política de incentivos e outras providências que coloquem o veículo ao alcance da população. Já existem algumas vantagens a quem circula movido a eletricidade – isenção total ou parcial de IPVA, não pagamento de zona azul, entre outras – mas é preciso criar uma política da eletricidade automotiva para que a área não seja sequestrada por grupos econômicos como ocorreu com o petróleo. Precisamos desse insumo a serviço do país e da população; jamais cativo a  grupos econômicos e até de empresa estatais como a Petrobrás – que funcionam como ilhas da fantasia e tem política salarial nababesca, acima de toda e economia nacional que, paradoxalmente, paga por esses exageros através do alto preço dos produtos.

O carro elétrico tem de vir como indutor do desenvolvimento e bem-estar da sociedade. Nunca dominado por grupos econômicos com lucros astronômicos. A população, teoricamente dona de tudo o que há no país, deve ser beneficiada. E, para isso, carece do trabalho, discenimento e, até, do patriotismo do presidente da República, governadores, senadores, deputados e todos os demais eleitos como seus representantes. Esses homens e mulheres têm, hoje, a obrigação de gestar o carro elétrico para o povo. Não se render a impostos elevados e lucros elevados aos próprios governos e capitalistas. Ainda mais: é preciso cuidar da ampliação do parque de geração para evitar a falta ou escassez de eletricidade, que passará a ser o combustível da frota. O trabalho os espera. Mãos à obra!

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.