Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Plano que estabilizou a economia completa 25 anos
Para muita gente, o Brasil anterior ao Plano Real parece peça de ficção. O brasileiro de meados dos anos 1990 conviveu com oito tentativas fracassadas de estabilização da moeda, conduzidas por sucessivos governos desde a redemocratização. Nenhuma delas funcionou.
Entre 1986 e 1994, num espaço de apenas oito anos, o país teve nada menos do que quatro moedas diferentes: cruzado, cruzado novo, cruzeiro e cruzeiro real. Em 1993, a alta de preços atingiu o recorde de 2.477% anuais —ou 30% por mês, em média. Em junho de 1994, a inflação chegou a 47%.

Há décadas o país convivia com esse processo, que fazia com que o dinheiro valesse muito menos com o passar do tempo, às vezes com o passar das horas. A preocupação com a inflação estava em todo lugar: na conversa das famílias, nas filas dos supermercados, no balcão de bares e padarias, nas mesas de reunião das empresas. Havia inúmeras teorias sobre como combater o problema e apenas o consenso de que sem domar a inflação o país jamais progrediria. A temida máquina de remarcação de preços era um dos maiores símbolos do país.
Essa história mudou no dia 1° de julho de 1994, quando entraram em circulação as cédulas e moedas do real. Passados exatos 25 anos, elas continuam aí, estampadas com a clássica efígie da República, passando de mão em mão.
O Plano Real foi iniciativa ousada e corajosa da equipe econômica comandada pelo então ministro da Fazenda e futuro presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, com o apoio decisivo do presidente Itamar Franco. Hoje, apesar de todos os problemas, o Brasil está melhor.
Segundo o IBGE, 42% da nossa população têm menos de 25 anos de idade, ou seja, não tinha nascido quando a primeira cédula de real circulou. Não seria um exagero afirmar que os brasileiros que têm menos de 40 anos —que somam mais de 127 milhões de pessoas, ou 66% da população— também não fazem ideia do suplício que era viver em um país em que os preços mudavam, literalmente, da noite para o dia. Todos os dias!

A estabilidade da moeda continua sendo uma das conquistas mais relevantes alcançadas pela sociedade brasileira nas últimas décadas. Possivelmente, é a maior delas. O fim da inflação acabou com a mais perversa forma de desigualdade social que existia no país. Numa inflação que chegou a bater 2% ao dia, os mais pobres simplesmente viam o dinheiro escorrer pelos dedos.
Nos casos extremos, como março de 1990, na arrancada do governo Collor, um produto que custava 5.000 unidades monetárias no primeiro dia pode ter chegado a 9.100 no fim do mês. Quem tinha conta em banco conseguia se proteger, com o mecanismo da correção monetária, mas os mais pobres, não.
Sem o fim da inflação, nenhuma política social seria possível. Num período de dois anos, entre 1993 e 1995, o percentual de pobres no país caiu de 31% para 24% e os extremamente pobres, de 13,6% para 9,3% da população, conforme a Pnad/IBGE. E continuou caindo. Nunca antes, nem depois, a queda foi tão abrupta e tão expressiva.
O Plano Real não foi somente uma mudança de moeda. Foi o início de uma verdadeira revolução que reconfigurou o país, e não apenas em termos econômicos. A estabilidade da moeda restituiu às pessoas referências de valor que a inflação corroera. Só após o Real foi possível às famílias mais pobres parcelarem suas compras. Milhões de brasileiros finalmente tiveram como comprar bens de consumo, como geladeira, fogão a gás ou televisão —e, principalmente, pôr mais comida na mesa.
O PSDB orgulha-se de ter sido artífice desta mudança, assim como se prepara para voltar a ser protagonista do caminho do crescimento e do desenvolvimento social —a exemplo da reforma da Previdência relatada pelo partido na Câmara e que terá os seus votos.
Apesar do orgulho, não nos apropriamos da conquista da estabilidade da nossa moeda, que tem um só e legítimo dono: a sociedade brasileira. Uma árdua conquista que merece ser sempre rememorada, celebrada e, sobretudo, defendida.
Bruno Araújo - Advogado, é presidente nacional do PSDB
link artigo
https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2019/07/o-dia-em-que-a-moeda-se-tornou-real.shtml

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.