Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com o aumento dos casos da pandemia no Brasil, o frio dando as caras em boa parte do país e o aumento das necessidades dos menos favorecidos, traz angústia aqueles que sempre fizeram trabalho voluntário e hoje se veem impedidos de alguma forma. Alguns impedidos por pertencerem ao grupo de risco, outros por querer e sentir a necessidade de cumprir com os decretos dos governantes e outros por não terem confiança nas informações sobre casos e modos de transmissão da covid-19.

Ainda assim, muito se arriscam, vestem a camisa de voluntário e vão para o campo de batalha, uma batalha que não cessa, não só por conta da pandemia, mas agora também pelo frio intenso de algumas regiões e ainda estamos no outono, portanto a perspectiva que teremos um inverno rigoroso e isso traz muitas preocupações, pois temos uma imensidão de pessoas que passam a pertencer a outro grupo de risco, as pessoas em situação de rua, os abrigados, os idosos sem condições financeiras para ter um agasalho ou uma forma de minimizar o frio intenso.

Muitos que nunca exerceram um trabalho voluntário, agora se dispõem a fazê-lo, alguns por estarem com tempo ocioso e perceberem que é uma oportunidade de usa-lo e ainda ajudar de alguma forma, outros pela vontade de experimentar o tal trabalho voluntário que já ouviram falar e  outros por perceberem  que muita gente vem enfrentando esta pandemia de forma muito precária.

Independente da motivação, temos muitos que querem e não podem e muitos que nunca pensaram em fazer, fazendo, isto é muito bom para ambos, pois para o primeiro grupo, percebem o valor do que faziam, não que não soubessem mas reforça a valia, para o segundo uma oportunidade de engrossar as fileiras de trabalhadores que vamos continuar precisando por muito tempo.

O grande desafio é um só, fazer com que entendam que solidariedade é diferente de compromisso, espero que não se esqueçam das lições aprendidas e na volta a vida cotidiana, com seus afazeres normalizados, dentro do novo normal, não se esqueçam da importância de se comprometerem com o trabalho voluntário. O povo brasileiro é um dos mais solidários do mundo, mas não se compromete com a solidariedade. Precisamos e vamos precisar muito mais de VOLUNTÁRIOS comprometidos com as causas escolhidas. Esperamos que saiam desta pandemia com este nobre aprendizado. Juntos somos muito mais e melhores.

Roberto Ravagnani é palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor especialista em voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, da IPA Brasil e da AFINCO, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea, criador e gestor de eventos filantrópicos, porta voz pela ONU, Membro Engage for business, Líder Internacional de Yoga do Riso e Conselheiro de Relações Sociais e Familiares do Instituto i. s. de desenvolvimento e sustentabilidade Humana. www.robertoravagnani.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.