Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O preço elevado dos combustíveis é uma grande preocupação. Impulsionado pelos preços internacionais do óleo – que balizam o mercado – o litro da gasolina esbarra nos R$ 7,00, o diesel está acima dos R$ 4,00, e o botijão de gás já passa dos R$ 100. Os reclamos com o preço dos derivados do petróleo são habituais no Brasil, mas agora, dentro da polarização política vivida, vemos governadores alinhados à oposição “culpando” a Petrobras, que diz apenas cumprir suas obrigações (até porque possui ações no mercado) e, por sua vez, o presidente e o governo federal, que já zeraram o imposto do diesel e do gás e mantém os mesmos níveis praticados desde 2019 sobre os demais combustíveis, exortando os governadores a abrirem mão de parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que arrecadam junto às bombas de abastecimento.

A petroleira se defende dizendo que a gasolina sai de suas refinarias a R$ 2,00 o litro (equivalentes a 33,4%) do valor registrado nas bombas dos postos. O resto é 11,3% de tributos federais (CIDE, PIS-Pasep e Cofins), 27,7% de ICMS (estadual), 16,9% de álcool anidro adicionado e 10,7% de margem de transporte e comercialização. No diesel, o preço da refinaria é de R$ 2,50 o litro (representa 52,1% do pago pelo consumidor). O resto é 16% de ICMS, 13,9% do custo dos óleos vegetais adicionados e 11,1% de margem de transporte e comercialização. O gás de cozinha, por seu turno, tem 47,5% do seu custo na retinaria, 14,8% de ICMS e 37,7% de margem de transporte e comercialização.

O Projeto de Lei Complementar nº 16/2021, de autoria do Executivo, que tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputado, busca unificar em todo o país a alíquota do ICMS sobre gasolina, diesel, biodiesel, etanol e gás natural e de cozinha, além de vários outros derivados de petróleo. Mas as bancadas articulam um substitutivo que não mexe nas alíquotas e apenas determina que o valor do ICMS passe a constar do cupom fiscal do vendedor varejista. É a pressão dos governadores para poder continuar arrecadando conforme sua ótica e vontade.

O setor dos combustíveis é sensível estratégico. Todos dependemos de seus produtos, direta ou indiretamente. Se os caminhoneiros, insatisfeitos com o preço do diesel, voltarem a parar, em poucos dias faltarão os outros combustíveis, alimentos, medicamentos e todos os produtos que dependem de transporte. Também pararão as indústrias por falta de matéria-prima e de energia para acionar suas máquinas. É preciso que os governos federal e estaduais busquem um acordo e o Congresso Nacional o referende, antes que haja o colapso.

Revendedores vêem, ao lado dos tributos, as adições de álcool anidro à gasolina e de óleo vegetal ao diesel como agentes elevadores do preço desses combustíveis. A gasolina recebe, por determinação legal, a adição de 27% de álcool anidro e o diesel é acrescido de 12% de biodiesel, conseguido de diferentes fontes. Enquanto a gasolina da Petrobras custa R$ 2,00, o álcool anidro a ela adicionado é cotado a R$ 3,80 o litro. Já o biodiesel reajustou-se em 22,6% nos últimos tempos e sua adição ao combustível dos veículos pesados é responsável pela falta de óleos alimentares no mercado, onde o preço da mercadoria disparou.

Precisamos de providências imediatas para evitar o descompasso do mercado de combustíveis. Inclusive a privatização da Petrobras – que o ministro Paulo Guedes prevê para dentro de 10 anos – porque, se o carro elétrico vier como o impulso e a  aceitação previstos, o petróleo e as petrolíferas, em curto período, perderão muito do seu valor...  

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)  aspomilpm@terra.com.br  

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.