Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Artigos e Opinião 01/04/2020  09h43

O Dom dos Dons

Cada um sabe onde o seu sapato aperta e, diante do aperto dos nossos calos de cada dia, uns clamam aos céus por justiça, outros por misericórdia.

Os primeiros não sabem direito o que estão pedindo e, os segundos, não tem uma clara nação do que estão querendo.

Eita! Agora sim que melou todo o meio de campo.

Explico-me: os primeiros quando pendem por justiça esquecem-se que essa virtude cardinal [1] corresponde a aplicação do devido senso das proporções que, inevitavelmente, termina atribuindo a cada um aquilo que lhe é devido, inclusive e principalmente para nós mesmos meu irmão. Trocando em dorso (ou em qualquer outro miúdo de sua predileção), você realmente parou pra considerar o que, de fato, lhe é devido?

De mais a mais, até onde sei, o justo, no sentido bíblico da bagaça (Provérbios XXIV; 16), peca sete vezes ao dia e, nossas pessoinhas estão mui distantes de serem justas nesse sentido, não é mesmo?

Se Deus fosse aplicar a Sua justiça, aí meu amigo que o mundo acabaria de vereda [2].

Sim, sei que tem muita gente que acredita ser uma espécie de criatura imaculada, tão pura, tão pura, que imagina poder corrigir a criação e dar uns pitos em Deus por suas “divinas cagadas” e, é claro, sem se esquecer de dar aquela ensaboada naqueles irmãos que a alminha, toda purinha, não morre de amores, exigindo dos infelizes desafetos posturas e atitudes que nem mesmo ela ousa implementar em sua porca vida [3].

Enfim e em resumo, esse tipo de gente não sabe o que está pendido. Não mesmo.

E quanto àqueles que clamam por misericórdia? Bem, nesse quesito parece-me que também há um bocado de confusão, tendo em vista que se confunde com grande frequência um gesto de misericórdia com algo similar a passar a mão na cabeça e deixar as coisas como estão.

Definitivamente, isso não é misericórdia. Pelo contrário. É um gesto de grande insensibilidade. Um ato de crueldade mesmo.

Outra vez, explico-me: misericórdia significa, literalmente, abrir o coração ao miserável; e Deus, que é infinita misericórdia, abre o Seu coração para todos nós a todo o momento [4]. Ou seja: a encrenca está em nós que, miseravelmente, não estamos dispostos a abrirmo-nos para receber o que Ele está nos oferecendo.

Quando Nosso Senhor Jesus Cristo nos mostra Sua misericórdia Ele não está dizendo que não tem nada de errado com o nosso jeitão pecaminoso de ser, muito menos que Ele aceita nosso modo torto de viver, porque Ele supostamente tolera tudo. Nada disso. Isso é conversa mole do encardido.

Aliás, esse tipo de atitude é produto da mentalidade modernosa que impera nos dias atuais, não o reflexo dos ensinamentos que se fazem presentes no santo Evangelho.

A misericórdia de Deus é expressada no ato de condenar o pecado ao mesmo tempo em que se resgata o pecador de sua prisão, que é o pecado.

É isso que o Verbo divino encarnado nos ensina na passagem da mulher adúltera que seria apedrejada (João VIII; 1-11).

Recapitulemos a história: alguns fariseus queriam a justiça e, como bem sabemos, eles não sabiam o que estavam pedindo; outros e a adúltera queriam que Cristo fosse “bonzinho” e deixa-se pra lá, e estes não tinham noção nenhuma do que estavam querendo. Mas Jesus chamou a todos na chincha, inclusive e principalmente a nós, para a realidade do que Ele quer nos ensinar. Instigou-nos a examinarmos nossa consciência, a nos colocar diante do fundo insubornável de nosso ser [5], e vermos que não estamos com essa bola toda. Nenhum de nós.

Aos que queiram justiça lembrou que eles eram tão pecadores quanto a senhora e que seria apedrejada por eles. Quanto a adúltera, lembrou que ninguém, nem Ele, a condenou, apesar dela ter pecado e, por isso disse “vá e procure não pecar mais”.

O pecado foi reconhecido. Os pecados da adultera e dos presentes que estavam louquinhos para apedreja-la, foram claramente reconhecidos por cada uma das personagens que participavam da cena e todos que ali estavam foram perdoados. Foram perdoados, mas a dolorosa ferida aberta pelo dito cujo continuava presente em seus maculados corações; ferida essa que estava, a partir daquele momento, sendo tratada com o unguento da vergonha [6].

Sim, da vergonha, que é um dom dos céus. Se não nos sentimos envergonhados de nossos pecados, como iremos nos converter? Se apenas vemos o cisco no olho alheio como é que iremos nos livrar da trave que está nos nossos olhos? Se não nos envergonhamos de nossas faltas, grandes ou pequenas, se não nos emendamos [7] e, dessa forma, não nos tornamos capazes de acolher o perdão misericordioso que Deus está a todo o momento nos oferecendo [8], como poderemos tratar as nossas pustulentas feridas que estão em nossa alma?

Sem o dom da vergonha não há arrependimento sincero e, sem isso, não há conversão.

Ah! E como muitas vezes dizemos, orgulhosos, que não nos arrependemos de nada do que fizemos em nossa porca vida. Como dizemos! Dizemos isso porque nos falta o dom da vergonha. Se não nos envergonhamos de quem somos dificilmente acolheremos o gesto curativo do perdão. De mais a mais, uma vida na qual a vergonha seria apenas uma ilustre desconhecida é, com o perdão da palavra, uma vida indigna de ser vivida [9]. E coloca indigna nisso.

Enfim, é isso.

Dartagnan Zanena - dartagnanzanela@gmail.com, escrevinhado em 01 de março de 2020, dia do Beato Miguel Carvalho e companheiros, de São Rosendo e Santo Albino.

[1] JOLEVIT, Regis. Curso de filosofia. Rio de Janeiro: Editora Agir, 1965.

[2] Papa Francisco. ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 17 de março de 2013. Disponível na internet: http://vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2013/documents/papa-francesco_angelus_20130317.html

[3] SÃO JOÃO PAULO II. CARTA ENCÍCLICA DIVES IN MISERICORDIA. Disponível na internet: http://vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_30111980_dives-in-misericordia.html

[4] BENTO XVI. REGINA CAELI - Domingo da Divina Misericórdia. 30 de março de 2008. Disponível na internet: http://vatican.va/content/benedict-xvi/pt/angelus/2008/documents/hf_ben-xvi_reg_20080330.html

[5] GASSET, José Ortega y. Meditações do Quixote. São Paulo: Livro Ibero-Americano Ltda, 1967.

[6] Papa Francisco. O nome de Deus é Misericórdia – uma conversa com Andrea Tornielli. São Paulo: Editora Planeta, 2016.

[7] CARVALHO, Olavo de. Fronteira da tradição. São Paulo: Nova Stella Editorial, 1986.

[8] SÃO JOÃO XXIII. DISCURSO NA ABERTURA SOLENE DO CONCÍLIO II. Outubro de 1962. Disponível na internet: http://vatican.va/content/john-xxiii/pt/speeches/1962/documents/hf_j-xxiii_spe_19621011_opening-council.html

[9] PLATÃO. Apologia de Sócrates. São Paulo: Editora Abril Cultural, 1999.

dartagnanzanela@gmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.