Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A revogação do decreto que flexibilizou as armas de fogo e a proposta de lei para regular a matéria, feitas pelo presidente Jair Bolsonaro antes de viajar ao Japão, pode ser o começo do necessário entendimento e respeito mútuo entre Executivo e Legislativo, depois de que o governo eliminou nefasta opção de “comprar” os votos de deputados e senadores e pagar com ministérios e altos cargos na administração. A possibilidade de anulação dos decretos levará o presidente a não abusar desse recurso e a dividir as grandes decisões com o parlamento. Assim deverá se estabelecer o equilíbrio entre os poderes, e as ações governamentais serão mais abrangentes que as decretadas exclusivamente na visão do grupo palaciano. Lucram o país e a sociedade, representados na modulação dos parlamentares sobre os temas em discussão.

É preciso cuidar para garantir que, pela pressão, haja o avanço no processo político mas jamais se reinstitua o regime do toma-lá-dá-cá, onde o que vigorava era o interesse particular, que enlameou a vida nacional, levou o país à crise com a corrupção incrustada no governo e conduziu expressiva parcela dos congressistas e políticos à condição de investigados, réus e até condenados e encarcerados. É a oportunidade de resgatar o parlamento na sua gênese de modular as leis e fiscalizar as ações do Executivo sem que isso possa ser ou parecer perseguição. A República só irá bem se seus poderes conseguirem o equilíbrio e dele tirar a eficácia necessária ao bom desempenho. Em resumo: para tudo ir bem, Bolsonaro não deve abusar dos decretos e nem o parlamento promover a obstrução ou as técnicas do favorecimento ilegal.

Mas, para o país voltar a respirar regularidade plena, também é preciso acabar com o escárnio que se propala através do discurso vitimista dos apeados do poder pelo impeachment e dos políticos alcançados pela Operação Lava Jato. São escandalosos os argumentos da defesa e partidários do ex-presidente Lula, que insistem na falta de provas ou suspeição da imparcialidade de acusadores e julgadores. Essa cantilena leva ao descrédito a instituição judicial e seus membros que, não reagindo à altura, potencializam a estapafúrdia idéia de que o ex-presidente foi processado, julgado e está preso há mais de um ano sem provas dos crimes que cometeu. Embora o direito de petição seja inerente ao processo judicial, é preciso fazer algo para evitar que seu uso abusivo possa atuar em demérito ao Poder Judiciário e a seus integrantes. As decisões até agora exaradas sobre os temerários recursos em nada desabonam as cortes, exceto em alguns casos pontuais como o do plantonista que queria libertar o condenado num fim-de-semana. Deveria, no entanto, haver um limite de tolerância para a litigância fantasiosa que, mais do que concretos resultados judiciais, cria fake-news e factóides para incendiar a opinião pública e desestabilizar o país. Parem com esse desserviço à Nação!

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.