Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Sábias as palavras do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Em lugar de nos tornarmos uma nação atormentada pelo embate do "eu contra você" e do  "nós contra eles", precisamos fazer do debate civilizado entre os diferentes o instrumento para  solução dos problemas e avanço da sociedade. “Já superamos o tempo das cavernas e hoje podemos adquirir conhecimento e resolver problemas de maneira integrada e civilizada. Agimos e pensamos diferente, mas somos todos brasileiros e compartilhamos a busca comum pela felicidade, dignidade e acesso aos direitos sociais previstos na Constituição, tais como: educação, saúde, trabalho e segurança. Em essência, buscamos todos o mesmo fim, sabemos aonde queremos chegar, o que muda é o pensamento individual sobre o melhor meio” – afirma o militar qu e, no seu surgimento dentro da chapa de Bolsonaro, em 2018, despertou o choque entre os que temiam e os que pregavam o golpe. Diferente dos que fazem estripulias em nome da democracia, ele a prega na sua essência, como na Grécia, o seu berço.

Somos forçados a lembrar que a democracia, no Brasil, nunca foi artigo de primeira necessidade. Sempre serviu para sustentar o discurso político tanto da direita quanto da esquerda, mas foram raros mos momentos de verdadeira prática. Houve até a contraditória frase do último presidente do regime militar, general João Batista Figueiredo, que num dos seus costumeiros gestos largos, prometeu “prender e arrebentar” quem o tentasse impedir de transformar o Brasil numa verdadeira democracia. Todos os que pregaram a ditadura do proletariado, inclusive os que recorreram à luta armada, ao longo de nossa controversa República, declaravam fazê-lo em defesa da democracia. Os militares de 1964 justificaram a quebra institucional como meio de manter o regime democrático contra o iminente golpe de esquerda..

Divulgada como o regime em que o povo governa, a democracia brasileira não passou de um pano de fundo onde os grupos dominantes da política defenderam os próprios interesses que, na maioria das vezes, não eram os do povo. Desde o advento da República, em 1889, passando pela República Velha, das oligarquias, a Era Vergas, o período dito democrático  1945-64, os governos militares (1964-85) e a Nova ou Sexta República, a partir de 1985, todos se disseram democráticos, mas muitos, como os que  participaram do Foro de São Paulo, sonharam criar a URSAL, uma estrutura ditatorial no moldes da extinta União Soviética, para governar a América Latina. E, quando Bolsonaro e Mourão partiram para resgatar o nacionalismo verde-e-amarelo (no lugar do vermelho), acusaram-nos de pretenderem o golpe à direita. O discurso foi tão forte que aquela pequena parcela que torce pela ruptura institucional chegou até a pensar que ela estava para acontecer.

Hamilton Mourão tem razão. Em vez do debate bestial e improdutivo que só faz o povo desgostar e até odiar a classe política, é preciso encontrar a forma civilizada de convivência entre os diferentes e exercitar o diálogo para de suas contraposições resultarem as soluções aos problemas do país. Não podemos continuar ouvindo a pregação onde os pregadores classificam seus adversários como genocidas, charlatães, corruptos, desequilibrados, ladrões e outras designações negativas a quem exerce o poder, já o exerceu ou é candidato a ele. A classe política tem de se respeitar e definir claramente a diferença entre adversário e inimigo para poder com isso alcançar o debate racional e produtivo.

Durante as 13 décadas de República, dita democrática, o brasileiro nunca experimentou a verdadeira democracia. Ela foi apenas bandeira para discursos. As lideranças precisam definir claramente o que seria a democracia brasileira e começar sua construção. Temos tudo para isso, inclusive as Forças Armadas avessas à intervenção, diferente do que ocorreu no passado. O artigo do general Mourão é um convite à grande tarefa de dar forma e consequência ao regime democrático, que só existe no papel. Os políticos precisam parar de falar mal do adversário,  começar a falar bem do país e mostrar ao povo a importância da participação de cada um nessa grande obra...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.