Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O dinheiro, pela sua capacidade de facilitar as transações entre pessoas, empresas, nações e outros entes, tem poder incomum. Ao mesmo tempo em que traz o bem-estar, pode também escravizar e fazer mal. Existem aos milhares relatos de quem perdeu a vida por causa do dinheiro. Uns são assaltados e morrem (latrocínio), outros se tornam seus escravos guardando-o sem aproveitar seus benefícios . Mais recentemente vimos nosso país impactado pela corrupção, que é o ataque de indivíduos inescrupulosos ao dinheiro público, desviando-o para proveito próprio. Lembramos, ainda, das histórias contadas por nossos pais e avós sobre pessoas iletradas (até da própria família) que deixavam de utilizar o pouco dinheiro que conseguiam e o guardaram no pé-de-meia ou no colchão em busca de segurança e, com isso, conheceram a inflação na pior das formas; viram sua suada e empírica poupança torna-se um monte de papeis (ou moedas) sem valor. A história registra isso em todos os países que viveram sob inflação alta. 

Na quarta-feira da semana passada (dia 2), o Banco Central colocou em circulação as cédulas de R$ 200, que trazem a figura e a cor (cinza) do lobo guará, animal típico dos cerrados da América do Sul (Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai) cujos exemplares são frequentemente encontrados perdidos nas cidades próximas ao seu habitatat. Sua escolha deu-se em pesquisa de opinião realizada pelo banco em 2001. Foram estampados 450 milhões de cédulas. Importante destacar que R$ 200 é a cédula de maior valor no meio circulante brasileiro que até agora tinha na ponta as de R$ 100. Roberto Campos Neto, presidente do BC, disse que a decisão de produzir a cédula de R$ 200 veio da necessidade de mais moeda em circulação causada pela demanda dos brasileiros que, no isolamento da pandemia de Covid 19, passaram a sacar mais dinheiro “vivo” para suas necessidades.

A nova cédula já começou a ser chamada de “um guará”. Logo, um guará vale R$ 200.  Os bem-humorados brasileiros há muigto tempo costumam apelidar o dinheiro. Ainda permanecem em nossa memória o “barão” (cédula de mil cruzeiros com a imagem do Barão do Rio Branco, que circulou entre 1978 e 89 e ensejou o bordão televisivo “lá vai barão”). Houve também o “Cabral”  ou “abobrinha” (mil cruzeiros de 1963 a 70, que estampava a figura de Pedro Álvares Cabral e a cor de abóbora).  Se retroceder, encontraremos muitos apelidos para as notas e moedas. Mas nosso dinheiro  também é citado como “grana” (alusão a grãos, que agregam valor), dindim (reprodução do barulho que as moedas fazem ao cair sobre uma superfície). Existem outras designações, algumas delas que chegam a sugerir corrupção eleitoral e até suborno. É o dinheiro e sua mística.

O mais importante é que o “guará” possa bem cumprir sua finalidade e jamais sirva para atos ilegais e nem dê prejuízo aos seus manuseadores. Em tempo: dizia um velho mestre que existem, no ambiente social e econômico emque vivemos, coisas que custam exatamente  o valor da maior unidade de dinheiro em circulação. Para estas, a chegada da cédula de R$ 200 provoca, de imediato, a astronômica inflação de 100%, já que a maior cédula até então era R$ 100. Ainda bem que são coisas aleatórias e sem o caráter de primeira necessidade...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.