Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A cada dia torna-se mais premente a necessidade da união nacional. No ponto mais agudo da Covid-19, encontramos prefeitos mais ousados atuando com maior severidade que os governadores ao impor quarentena às respectivas populações, e outros - como os da região metropolitana de São Paulo - pedindo ao governador a implantação de lockdown em toda a área. Empresários lutam pelo direito ao trabalho, operadores do Direito invocam o artigo 5° da Constituição e o regime democrático vigente, e a Justiça emite ordens, tanto para fechar quanto para abrir os negócios. A superlotação dos hospitais e as mortes avolumam-se, ao mesmo tempo em que a economia claudica, provocando o encerramento de empresas, desemprego, fome e até suicídios.

O momento - de altíssima fragilidade sanitária, econômica e, principalmente social - exige o empenho de todos em busca do reequilíbrio. É prejudicial ao conjunto da sociedade continuar convivendo sob o embate entre as diferentes correntes de pensamento quanto ao flagelo epidêmico. A verdade absoluta é que o virus está presente e cada dia mais letal, já matou quase 300 mil brasileiros e está levando a óbito mais de 2,6 mil a cada 24 horas. Não podemos continuar perdendo tempo com divergências que possam desviar a atenção do objetivo principal que é o atendimento aos adoecidos e a vacinação dos demais, já que a vacina, apesar do pouco tempo passado de sua elaboração, é a única solução cientificamente aceita. A propósito, chegou a minha vez, e hoje tomei a primeira dose da vacina.

No ano passado sob a pandemia, ocorreram problemas que não podem se repetir, principalmente os desvios de recursos, seja para outros fins mesmo que lícitos ou, principalmente para a nefasta corrupção. Já estamos partindo para o quarto ministro da Saúde e o governo federal, além de experiência, também é o detentor da principal fonte de recursos para enfrentar o coronavirus e suas consequências. Os governadores também já tiveram a oportunidade de experimentar e têm hoje a obrigação de abandonar tudo o que deu errado e buscar os meios mais eficientes de solução. Só os prefeitos ainda têm a desculpa do noviciado, mas como antes da posse (corrida em janeiro), na condição de cidadão, viram tudo acontecer, também devem se apressar.

A grande tarefa desse momento é usar todo o conhecimento adquirido para conter o avanço da infestação, socorrer os já infectados e levar a Covid-19 à extinção entre nós. É uma obra de união e salvação nacional. Além do pessoal da Saúde e dos governos – federal, estaduais e municipais – também deve ser envolvida a sociedade através de suas forças vivas e até dos cidadãos individualmente. Ninguém pode ficar fora dessa batalha, pois isso abre o risco de perenização do virus. Os governos têm o dever de providenciar os recursos materiais e especializados, o empresariado, quando puder, contribuir nas quarentenas e na conscientização da população quando aos cuidados sanitários pessoais (o tão divulgado e pouco aceito usar máscara, não aglomerar e lavar as mãos seguidamente) para evitar a proliferação.

Os empresários, que já vêm penando por não poderem produzir, têm de ser socorridos de forma que seus negócios não pereçam. Isso é tarefa da área econômica dos governos através do crédito especial, desoneração fiscal e outras medidas que permitam a manutenção dos negócios durante o período em que for necessária a interrupção para o corte da linha viral. Precisamos de um grande pacto nacional. Sem ele, continuaremos enxugando gelo e perdendo preciosas vidas em cuja formação para o mercado e a vida nacional o país e as famílias investiram por anos a fio e hoje vêem se esvair sem ter cumprido o ciclo. Unam-se todos, pelo Brasil e por cada um de nós, os brasileiros!...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.