Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Ibge (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revela em seu levantamento sobre o Registro Civil que em 2018 morreram 1.279.948 brasileiros, o equivalente a 3.506 por dia. E não há qualquer alarde. No entanto, o registro de 2.471 mortes pelo coronavírus entre 14 de março e 21 de abril foi motivo para suspender as atividades econômicas, impor o toque de recolher e gerar profunda crise política com a demissão de ministro e pedidos de impeachment do presidente da República e outras autoridades.

O combate à pandemia merece todo empenho. Mas não pode paralisar o país e, de imediato, levar à fome os mais pobres que com suas ocupações muitas vezes informais precisam ter renda todos os dias ou sucumbem.

A estatística da covid 19 em São Paulo revela que o estado já registrou 1093 mortes, das quais 84,9% eram idosos ou portadores de comorbidades. Também mostra que o mal atinge moradores de 239 dos 645 municípios paulistas, a maioria deles na capital, região metropolitana e nas da Baixada Santista e Campinas.

Impedidos de produzir e auferir renda, empresários e trabalhadores clamam pelo retorno às atividades. É o momento de governadores e prefeitos, que fizeram as restrições, partirem em busca do ponto de equilíbrio. Liberar para o trabalho a população de menor risco e os moradores dos municípios onde não há infectados identificados, ainda que com a obrigatoriedade do uso de máscaras e outros cuidados profiláticos, é o mais sensato.

O coronavírus não foi o causador da crise no sistema de saúde brasileiro. Até porque a falta de leitos e vagas nas UTIs é decorrência de muitos anos sem investimentos compatíveis com a demanda, já tendo provocado a morte de muitos pacientes na fila de espera. O que pretende o sistema de quarentena é baixar a demanda de  necessitados de respiração assistida. É a única alternativa para aplacar a negligência de sucessivos governos.

Os números são divergentes, mas dizem que a gripe espanhola matou entre 30 e 35 mil brasileiros em 1918, quando a população nacional era de 28,9 milhões de habitantes e os recursos científicos, técnicos e sociais infinitamente menores que os de hoje, quando somos maios de 210 milhões. Frente àquela pandemia, que impediu a posse e até matou o presidente eleito da República, Rodrigues Alves, a covid 19, com sua baixa letalidade e mesmo com alta velocidade, não é tudo o que se tem alardeado e nem motivo para fechar o país. Flexibilizacão já.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) -  aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.