Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O país vive um momento singular. Há muito tempo não se via a sociedade civil mobilizada em teses como a garantia de renda mínima aos vulneráveis, o entendimento entre as diferentes correntes políticas e instituições e outras teses destinadas ao reforço da organização social e ao desencorajamento da polarização. O extremismo praticado pelas diferentes correntes políticas e de pensamento tem emperrado em muito o desenvolvimento nacional e espalhado pela sociedade o sentimento negativo de derrota e descrença. As eleições das novas mesas diretoras da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, presididas pelo deputado Arthur Lira e senador Rodrigo Pacheco, constituem o ponto de partida para esse novo momento.

Lira prioriza a discussão e votação das propostas de reforma – administrativa, econômica e outras – engavetadas na Câmara durante os dois anos passados. E Pacheco recoloca o Senado na sua original função de moderador da fervura política, ao trabalhar pela construção de um pacto em que União, Estados e Municípios trabalhem juntos e mirados no mesmo objetivo para o combate e solução da pandemia da Covid-19 e a outros problemas de relevância nacional.

É salutar encontrar empresários de expressão como os do Movimento Convergência Brasil propondo a destinação de parte do que o governo economizar com privatizações e redução das despesas com RH (Recursos Humanos) para a composição de renda básica ou mínima aos vulneráveis, que nesse tempo de mal epidêmico recebem o socorro dos auxílios emergenciais para não amargarem a fome. É importante criar condições para essa população economicamente marginalizada inserir-se no mercado e, gradativamente, obter formas sustentáveis de trabalho, renda e sustento. Eles não podem ficar permanentemente em situação econômica marginalizada, porque representam foco de tensão e atraso ao desenvolvimento nacional, pelo qual todos lutamos. Oxalá as propostas do grupo de empresários encontre eco e aperfeiçoamento entre os parlamentares.

A proposta do senador Rodrigo Pacheco é pragmática. Que os titulares das três esferas do Executivo se entendam naquilo que for possível e aceitem que as divergências sejam moduladas pela atuação do Supremo Tribunal Federal sem que isso possa representar qualquer crise entre os poderes. Afinal, o Poder Judiciário existe para desempatar as divergências e, pela própria natureza, decisão judicial não se discute; cumpre-se.

Temos visto nos últimos dias o desencontro entre o presidente da República, governadores e prefeitos sobre a adoção de lockdowns, feriados antecipados e outras restrições destinadas a baixar a infestação pelo coronavirus. Governadores e prefeitos restringem a movimentação e as atividades das respectivas populações, e o presidente lembra que isso ofende o direito ao trabalho e de ir e vir. Temos a pandemia no seu ponto mais alto. É preciso cultivar as convergências de opiniões para delas resultar um trabalho. E – como propõe o presidente do Senado – encontrar o foro adequado para modular as diferenças e evitar que elas entornem o caldo e coloquem todo o esquema a parder e a população reste desassistida.

Parlamento – como o próprio termo diz – é o lugar destinado à discussão das idéias e onde, nas democracias, a maioria vence e as minorias se submetem. Finalmente a Câmara dos Deputados e o Senado Federal começam a cumprir esse papel. É uma esperança para todos nós de melhores dias e mais organização e segurança à sociedade em que vivemos. Oxalá esse sentimento cívico (e até patriótico) se alastre pelas Assembléias Legislativas Estaduais e Câmaras Municipais. O Poder Legislativo é o grande representante do povo, único capaz de interpretar e pugnar pelos os interesses da sociedade. Que o novo tempo se consolide e os beneficiados sejamos todos nós, os brasileiros...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.