Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O empresário-apresentador Luciano Huck, afirmou dias atrás que a democracia está em risco no Brasil. Não falou novidade. A República, em 1889, foi resultado de um golpe militar contra o imperador Pedro II. Dois anos depois, Deodoro da Fonseca, seu proclamador, foi afastado e o país viveu por três décadas a alternância entre tempos mais e menos “democráticos”. Até que, em 1930, a revolução pilotada por Getúlio Vargas conduziu a 15 anos de governo do caudilho gaúcho, pelo menos oito deles sob absoluta ditadura. O período 1945-64 foi democrático, mas não esqueçamos de episódios antidemocráticos como o suicídio do próprio Vargas – que depois da queda voltou à presidência por eleição direta e preferiu morrer a renunciar, como exigiam seus opositores e forças militares -, a tentativa de golpe contra a posse de Juscelino, a ascensão e renúncia de Jânio, a resistência dos militares à posse do vice João Goulart e a instabilidade de seu governo, finalizado antecipadamente a 31 de março, por ação das Forças Armadas que, segundo a história, agiram a pedido da Sociedade e da Igreja (a Marcha com Deus Pela Família e Liberdade) para frustrar um temido golpe que extinguiria a democracia e instituiria a ditadura do proletariado. Logo, a democracia brasileira sempre esteve na corda bamba. Não é só agora.

Os militares de 64, embora com atuação discricionária, afirmavam fazê-lo em nome da democracia. E, quando saíram, em 1985, os que os substituíram também se rotulavam  “democratas”, mesmo os comunistas que militavam clandestinamente no chamado “partidão”, cuja gênese é a ditadura com partido único. Durante os 36 anos que nos separam da descida dos militares do comando do governo, muita coisa aconteceu. Vivemos dois impeachments presidenciais, a gradativa transferência do poder aos ex-adversários do regime militar, a Constituinte que nos legou uma Carta parlamentarista mas não teve força para a pretendida revogação do presidencialismo e, mais recentemente, os escândalos de corrupção que – estes sim – ameaçaram a democracia e se não tiverem a mais isenta e justa apuração, ainda poderão destruí-la.

Sempre faltou a verdadeira estabilidade institucional à democracia brasileira. Governo, Parlamento e até o Judiciário não agem dentro de seus limites e – extrapolando ou se omitindo – enfraquecem o regime democrático, transformando-o num mero conjunto de frases e teorias que não se articulam entre si. O que temos hoje é mais do mesmo, com roupagem contemporânea. Uns pregam o golpe de direita pilotado pelas Forças Armadas, outros se dizem democratas mas querem a ditadura do proletariado, e o povo não sabe em quem acreditar.

Para a democracia não correr riscos, teria ela de ser forte e as instituições ordeiras e cumpridoras fiéis de suas atribuições legais, coisa que sempre foi utopia em nosso país. Hoje movimentam-se para derrubar Bolsonaro. Consigam ou não, em breve farão o mesmo com seu sucessor. O “risco à democracia” é permanente ou, numa melhor definição, ela não existe ou e extremamente deficiente. Hulk parece entusiasmado, embora, prudentemente, já tenha desistido de, pelo menos por ora, enfrentar uma aventura eleitoral. É preciso acautelar-se pois dirigir um país é diferente de comandar um programa de auditório ou negócios a ele correlatos. Nem sempre quem é conhecido arrebata os votos do eleitorado, mas se não tomar cuidados, é usado pelas velhas raposas políticas que deles tiram proveito e, depois, os abandonam. Se popularidade midiática fosse prestigio eleitoral, os grandes nomes da área – especialmente da TV e do rádio – que enfrentaram a disputa, teriam sido eleitos e o setor teria grande força principalmente no parlamento. Mas isso não ocorreu.

Prestigio político e midiático são patrimônios diferentes. Quem os confunde, normalmente, se dá mal. Da mesma forma, democracia não é o que temos vivido. Precisamos consertar muitos conceitos e procedimentos para alcançá-la. É difícil, mas não devemos perder a esperança... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.