Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Muito se tem falado sobre reformas. O governo se bate pela previdenciária, mas não pode se esquecer da fiscal e até da revisão do pacto federativo, dispositivos constitucionais que repartem o bolo tributário entre União, estados e municípios. A profusão de detalhes da Constituição e a legislação engessadora das receitas públicas acabaram conduzindo o país à inviabilidade. A Constituição estabelece, por exemplo, que os municípios podem aplicar com pessoal até 60% de sua receita, tendo de destinar outros 25% para a Educação e 15% em Saúde. Só isso já explicita e justifica a crise que acomete as prefeituras. A soma desses percentuais leva a 100%. Não sobram recursos para manutenção, obras e serviços. Com os estados não é muito diferente, pois também podem ir a 60% com pessoal e têm de aplicar 18% em Educação e 12% em Saúde.  Já a União pode gastar até 50% da receita com pessoal e tem de usar 18% em Educação e gastar, em Saúde, a mesma quantia empregada no exercício anterior, corrigida pela variação dos últimos dois PIBs (Produto Interno Bruto).

Não foi àtoa que, para evitar o colapso, os municípios tiveram licença para descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal no exercício de 2018. Acrescente-se a isso que tanto estados quando municípios estão endividados com empréstimos tomados da União ou contraídos no exterior com o aval federal. Ser prefeito, hoje, é ter às costas um fardo difícil de carregar pois, por um lado os recursos são insuficientes para as tarefas e, por outro, a população cobra a solução de problemas, que custam um dinheiro inexistente.

A vinculação das receitas públicas à Saúde e Educação teve origem na Constituinte de 1934 e, com o passar dos anos, foi ganhando novos detalhes. Entre outras distorções, essa vinculação de receitas levou municípios desenvolvidos e ricos a aplicar os recursos da Educação em luxos enquanto outros não conseguiam fazer o mínimo indispensável. A Saúde também enfrenta descompassos dessa ordem e, pior, hoje existem milhares de obras, veículos e equipamentos abandonados porque não há recursos para cumprir os cronogramas. O resultado é que o dinheiro saiu do cofre, mas o povo destinatário não recebeu os serviços.

O ministro Paulo Guedes tem um projeto para alterar o pacto federativo e acabar com as vinculações de receita. Se isto for aprovado, governadores e prefeitos terão mais autonomia na aplicação dos respectivos orçamentos e a tendência é poderem resolver os problemas com mais facilidade e menos burocracia. A partir de então os orçamentos estariam desingessados e verba carimbada só seria aquela liberadas pela União ou estado com a finalidade específica de aplicação num empreendimento. Evidentemente, os governantes teriam maior responsabilidade nas decisões. Mas isso é o lógico. Afinal, foram eleitos para governar e muitos deles, diante das amarras legais hoje existentes, sentem-se como despachantes de luxo que andam de chapéu na mão pedindo verbas ou, pior ainda, vaquinhas de presépio, cuja função é meramente decorativa. É preciso corrigir as distorções pois, do contrário, a crise continua...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.