Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A criação dos quatro Batalhões de Ações Especiais de Polícia (Baep), que funcionarão no padrão da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) em São Bernardo do Campo, zona central a da capital, Presidente Prudente e São José do Rio Preto, representa grande avanco no trato do governo do Estado para com a Polícia Militar. Com treinamento e equipamentos especializados para o combate aos diferentes tipos de crimes, as novas unidades deverão aumentar os padrões de segurança em suas áreas de atuação. E, melhor que isso, é saber que o plano do governador João Dória é criar 17 batalhões dessa natureza. A experiência do grupo de elite criado em 1970, que tentos bons serviços prestou à comunidade, será, finalmente, expandida para todo o estado.

É importante destacar que a Polícia Militar é prestadora de ampla gama de serviços que derivam de sua missão básica de oferecer segurança à população através do policiamento preventivo, ostensivo e reativo. Seus homens são o primeiro contato com o teatro dos crimes mas, antes disso, os encarregados do patrulhamento e da prevenção. Através do Corpo de Bombeiros, também fez a segurança em diferentes frentes anteriores aos sinistros. Os batalhões que o atual governo começa a criar serão destinados ao enfrentamento direto ao crime, como são a própria Rota, os cinco Baeps já existentes em Campinas, Santos, São José dos Campos, zona Leste da Capital e Barueri e as forças táticas que funcionam em padrões parecidos em outras localidades.

Mesmo nos tempos permissivos, onde forças políticas e sociais refratárias à segurança pública tiveram força e voz, a Rota e seus assemelhados prestaram importantes serviços à comunidade paulista. Agora, que o governo estadual tem como programa reforçar a área, seu trabalho tende a ser ainda mais significativo. Até porque haverão investimentos em pessoal, logística e equipamentos. Veículos e armamento compatíveis, além do treinamento, são fundamentais para o sucesso da tarefa. Além dessas mudanças estruturais, ainda há que se destacar a disposição do ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública que, com seu projeto da nova Lei Anticrime, busca melhores condições legais e operacionais para as polícias encarregadas de combater o crime organizado.

Sem as amarras de governos pouco interessados em prover a segurança da população, as nossas polícias terão melhor resolutividade e a população desfrutará de mais segurança para viver, trabalhar, progredir e ser feliz...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.