Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A polêmica político-econômica mais recente reside no preço dos combustíveis. O presidente Jair Bolsonaro disse que zeraria os impostos federais (PIS/Pasep, Cofins e Cide) que aumentam em 15% o preço da gasolina e 9% o do óleo diesel se o governadores concordassem em também eliminar o ICMS, que é de 29% na gasolina e 15% no diesel. A fala, considerada bravata pelos seus contumazes adversários políticos e ideológicos, provocou o levante dos governadores, que não querem abrir mão da arrecadação. Enquanto uns não admitem conversar a respeito, o de Goiás, Ronaldo Caiado, quer o entendimento e o do Espírito Santo, Renato Casagrande, prega o diálogo onde se evite o desequilíbrio nas arrecadações estaduais.

Anuncia-se que o presidente tem por objetivo igualar o preço dos combustíveis em território nacional com o praticado pelos países vizinhos (Argentina, Bolívia e Paraguai), que importam os produtos do Brasil e vendem a preços inferiores ao nosso aos seus consumidores. Se conseguir, isso será uma grande vantagem, principalmente porque deisel, etanol e gasolina são fortes indutores da inflação. Estão presentes no custo de tudo o que é produzido, pois as mercadorias e os trabalhadores que as processam são transportados por veículos movidos a combustível. Se baixar o preço dos combustíveis, isso repercutirá imediatamente no custo dos produtos e estes, com preços inferiores, terão maior consumo, compensando a desoneração do insumo.

É preciso compreender o momento de transição. Várias frentes são atacadas. Hoje, por exemplo, temos a menor taxa de juros nominais com a Selic (que já chegou a 14,25%) fixada a 4,25%, um nível nunca antes praticado. Lógico que ainda faltam mais ações em cartões de crédito, cheques especais e outros produtos creditícios oferecidos ao consumidor. A questão dos combustíveis é crucial e os impostos que o setor gera fazem parte da sustentação dos estados e da própria União. É por isso que carecemos da reforma administrativa, que torne o estado mais leve, para poder abrir mão dessas receitas. É uma longa caminhada que ainda estamos começando, depois de décadas em que o formato econômico foi de arrecadar o máximo possível, aparelhar o Estado como cabide de empregos com altos salários e até tolerar e conviver com a corrupção. O combustível, como produto de base, deve ter imposto zero e a arrecadação tributária vir da ponta da cadeia, através dos manufaturados, bens e serviços gerados com a sua utilização. É, também, daí que deverão vir os empregos que necessitamos para o equilíbrio da economia nacional.

Se o governo conseguir colocar os combustíveis nas bombas brasileiras ao mesmo preço praticado pelos vizinhos que os importam do Brasil, terá dado um grande passo pela estabilidade e justiça econômica. E, ainda, atendido ao desejo de toda a população que, viajando além fronteiras, fica indignada ao ver gasolina e diesel produzidos em nossas refinarias mais barato do que são vendidos no Brasil. O combustível deve servir estrategicamente ao país e aos cidadãos, jamais às castas que se beneficiam de seus tributos e preços elevados... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.