Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ainda consigo me lembrar de como era gelado dentro da locadora: um local com muitas estantes, muitas capas de videocassete enfileiradas. Eu tinha menos de 8 anos, e o lugar era como um labirinto de fim de semana para mim, era onde eu me divertia. Consultava todos os desenhos, mas sempre escolhia os mesmos. Havia um do galo e outro do rato chamado Fievel, que eu sempre assistia. Meu Deus, já faz mais de 20 anos! Eu só tinha acesso aos filmes no final de semana, porque, durante a semana, tudo que me restava eram aqueles desenhos animados matinais, totalmente previsíveis. Mas quem disse que eu me cansava deles?

Essa história não possui mais de 20 anos. Assistimos à evolução da internet acontecer, assistimos ao surgimento do Youtube, da Netflix, do Instagram, do WhatsApp… e a lista cresce! Antes, casas com uma tela por cômodo era um luxo parcelado em muitas vezes; hoje, temos uma tela por pessoa como necessidade básica (ainda parcelada em muitas vezes).

Não sou daqueles que acham isso um absurdo, pois, sem dúvida, o acesso à informação e ao conhecimento traz muitos benefícios. Eu sequer consigo imaginar onde vai parar esse texto que eu estou escrevendo agora, porque você pode gostar dele e compartilhar com seu amigo (que não precisa, necessariamente, saber português).

No entanto, isso tem gerado excessos, tanto para verdade como para a mentira – inclusive, essa ganhou um nome mais moderno: fake news. Uma massa de pessoas entram em suas caixas de e-mails, nas suas playlists intermináveis, acompanham podcasts, seguem muitas pessoas nas redes sociais, fofocam, brigam, mandam memes, paqueram e mandam nudes. Tudo isso pelo meio digital! E o que resta no final?

O problema não está nas telas nem na qualidade da informação apenas. O problema real está em você, que não está consumindo bem a informação. Comer carne não faz mal à saúde, mas, em excesso, poderá trazer problemas. Até uma dose certa de veneno pode ser um remédio.

Infoxicação é o termo que tem sido usado quando a pessoa está intoxicada de informações. Vou explicar bem, mas preciso que, agora, você pare as outras telas, pelo amor de Deus, e preste atenção.

Como saber se tenho infoxicação?

Obedecendo-me ou não, você está aqui. Alguns sintomas da infoxicação são: acompanhar muita gente no Instagram, ler ou ver notícias compulsivamente, ver stories como se não houvesse amanhã, não desconfiar de dados. Isso tudo pode dar tremedeiras se a pessoa ficar sem ler notícias ou rede social, entre outros. Se você consome muita informação, e isso não é transformado em nada útil, você já está correndo um sério risco, você está apenas inchando.

Eu mesmo estou em processo de me desintoxicar de tanta informação. A saída, no entanto, não é o exílio da internet, mas o exílio de informações ruins. Note que não basta fugir das fake news, tem de fugir da informação ruim. Se você está gordo e precisa emagrecer, você precisa de, pelo menos, três coisas: comer bem, exercitar-se e aumentar sua força de vontade; apesar de ninguém fazer isso, todo mundo sabe disso.

Se você está inchado de informações, você precisa começar por consumir informações de qualidade, começando pela música e pelos vídeos, conteúdos que, de fato, agreguem algo na sua vida, que provoquem a transformação em você. Todo alimento se transforma em algo em você, toda informação fica em você também. Não é apenas quantas pessoas você segue no Instagram ou Twitter apenas, mas quem você segue. Não é apenas quanto tempo você fica no Youtube, mas que vídeos você tem assistido. Há muita coisa boa na internet, pois ela é um espelho do mundo, e completamente de graça; nós é que estamos fazendo as escolhas erradas.

Saiba escolher!

Uma hora essa informação irá sair, o alimento que comemos virará energia para nosso dia a dia e para os exercícios. Um atleta tem uma alimentação de acordo com sua rotina de exercícios; com efeito, precisamos ter uma dieta de informação apropriada para o nosso cotidiano, e aquilo que for consumido de ruim precisar ir para o lixo. Aquilo, no entanto,  que for consumido de bom, precisará ir para a vida. Você pode, por exemplo, acessar, agora, uma palestra da Canção Nova no Youtube e se sentir tocado, chorar, mas se isso não entrar em você nem mudar a sua vida, só o fez perder tempo e água pelos olhos.

Nessa enxurrada de informações, hashtags e polêmicas da internet, é preciso ter  uma vontade forte e sabedoria para escolher bem a informação, exatamente o mesmo para se manter firme na dieta. Boa parte das pessoas continuam gordas e fora de sua condição de saúde, porque não tem uma vontade forte para seguir a dieta, segue seu apetite, sua compulsão, sua gula.

Comece por algum lugar. Veja apenas um jornal por dia. Silencie todos os grupos do WhatsApp, desinstale o Facebook e só o acesse pelo navegador do celular. Desafio você no seu Instagram: escolha apenas pessoas para seguir que lhe agreguem algo, as quais, de fato, mudem sua vida. “São meus parentes”, você pode me dizer. Mas é lixo? Então, pare! Eu seguia cerca de 700 pessoas no Instagram, Hoje, sigo apenas 35 para menos.

Depois, vá para o Youtube e desobedeça todo mundo que pedir para você seguir e clicar no sininho. Só faça com canais que, de fato, mudem sua vida para melhor, para o céu. Escolha canais e perfis, conteúdos não que apenas lhe agradem, mas que o eduquem e levem você para direção de Deus.

Guilherme Cristóvão, missionário da Comunidade Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.