Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Concretizada a posse dos eleitos, o Brasil vive um clima novo, onde o povo tem esperança nas mudanças prometidas em campanha e a classe política procura conviver com a nova cultura desenvolvida após a derrocada da política do toma-lá-da-cá que levou o país à crise e muitos políticos ao banco dos reús. Espera-se dos novos governos federal e estaduais providências que resultem na diminuição do gigantismo estatal inflado pelos governos que nas ultimas décadas criaram milhares de cargos e instituições para acomodar seus cabos eleitorais e aliados. A volta do serviço público para as suas tradicionais funções de normatização, licenciamento e fiscalização, é o desejável. A União e os estados não devem ser empresários ou concorrentes da iniciativa privada, mas criar ambiente para que o investidor particular empreenda, fazendo a economia girar e produzindo empregos, tributos e outras riquezas.

Bolsonaro tem pela frente a tarefa – a que ele próprio se lançou – de convencer o Congresso Nacional de que, para discutir e votar projetos, os parlamentares não precisam ter participação no governo e nem receber benesses. Foi esse regime de barganha que levou a classe política ao seu mais baixo prestígio em décadas e, ainda, serviu de chave para abrir as portas da corrupção que corroeu o país. Os novos governos não devem perder tempo com isso, que é coisa do passado e cujos crimes relacionados são apurados pela Justiça com o devido processo legal e o apenamento dos culpados.

Cabe aos eleitos de outubro de 2018 a tarefa de transformar em atitudes aquilo que prometeram ao eleitorado e arrebatou os votos. Não é nem o caso de, em lugar do viés esquerdista, colocar-se o direitista. O povo despreza tanto esquerda quanto direita, pois quer coisas mais concretas como educação, saúde, segurança pública, empregos, desenvolvimento e administração pública íntegra que devolva em serviços o que pagamos em impostos.

Num regime democrático, nada impede que cada um tenha sua ideologia. Mas ela não deve ser a pedra de toque da sociedade. Em todos os momentos que se agiu ideologicamente (independente da tendência), não se chegou a um bom termo. Os que chegam precisam ter sensibilidade para não guinar ao totalmente oposto dos que saíram e estes devem reconhecer que perderam as eleições e, se quiserem continuar existindo como grupo, têm de mudar, fazer autocrítica e evoluir. A população quer o seu país de volta para poder nele viver, produzir e legá-lo melhor para as futuras gerações. Todas as formas de extremismo e, principalmente, os esquemas de desobediência civil e intolerância, têm de ser banidos em respeito à Nação, entendido como tal o conjunto de todos os cidadãos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - spomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.