Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Chegamos a uma nova encruzilhada na questão da Covid-19 em território brasileiro. O Ministério da Saúde acaba de reconhecer o “repique” do mal e prepara providências, ao mesmo tempo em que os governos estaduais e municipais já começam a revogar medidas que afrouxaram a quarentena, as restrições de circulação de pessoas e o exercício das atividades. É de se esperar que, sem o interesse imediato das eleições municipais (que terminam no domingo), a classe política seja mais cordata e tenham comportamento melhor do que o dos meses que se passaram. Para a população – grande vítima de tudo isso – o ideal é que governos federal, estaduais e municipais busquem um grande acordo de cooperação onde evitem as colisões e priorizem a eficiência. É preciso levantar com toda urgência o que foi feito dos hospitais de emergência já desmontados e, se for o caso, recolocá-los em condições operacionais antes que as vagas em UTIs convencionais estejam esgotadas.

A emergência do momento e o desconhecimento de pormenores da pandemia podem ser citados como desculpas para os que agiram com excesso (jamais para os que se corromperam), mas é importante lembrar que hoje já se conhece mais sobre o mal e as novas providências devem ser mais certeiras e de consenso. Todos devem ter boa vontade para poder acertar e prestar os serviços que a população necessita. A própria população tem de por a mão na consciência e tomar a única providência que está ao seu alcance: usar máscara, álcool gel, lavar as mãos, evitar aglomerações e manter o distanciamento. A soma dessas medidas profiláticas mais a chegada das vacinas poderão, ainda, nos livrar de um mal da magnitude da primeira fase, que já provocou a morte de mais de 171 mil brasileiros.

Diferente do que ocorreu nos últimos meses, espera-se mais civilidade dos agentes dessa luta para que, com isso, sejam eles mais eficientes deixando de perder o precioso tempo que vinham empregando em polêmicas. Vamos conter o “repique”, cada um com as armas que lhes são disponíveis, e mirar os esforços e a criatividade no pós-pandemia. Mais dia, menos dias, a Covid-19 e o coronavírus serão coisas do passado. A boa administração dos recursos e da experiência alcançados no bate-cabeças dos últimos oito meses tem de servir para conter a reinfestação. Mas a grande tarefa é a do futuro.

Todos temos de mitigar os prejuízos da pandemia e criar formas adequadas de superá-los e conviver com os novos tempos. A estrutura pública de Saúde tem de aproveitar os vultosos recursos despendidos na pandemia e aplicar o seu residual no sistema, melhorando hospitais e vagas de UTI. Os governantes têm de ser unidos e solidários, esquecendo-se de suas diferenças partidárias e ideológicas e, principalmente, das próximas eleições. Agora, na nossa modesta opinião, todo o esforço e inovação devem estar voltados para a vacinação, pouco importando de onde venham as vacinas, desde que passem pelo crivo e sejam liberadas pela Anvisa. Só isso será capaz de barrar a circulação do vírus e levar ao fim do mal epidêmico. É hora de decência, juízo e solidariedade entre todos...  

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.