Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Quando aplicaram o formato do tripé - Legislativo, Executivo e Judiciário - para sustentar o regime institucional, os constitucionalistas de 88 miravam a independência e a harmonia dos poderes. O Legislativo encarregado de elaborar, discutir e votar as leis propostas pelos parlamentares, pelo Executivo e até por iniciativa popular; o Executivo gerindo a máquina do Estado; e o Judiciário guardando e interpretando a Constituição e o ordenamento jurídico e, ainda,  mediando os conflitos. A Carta Magna produzida restou com viés parlamentarista, influência de expressiva parcela de seus elaboradores que, no entanto, não tiveram força para aprovar o parlamentarismo no plebiscito sobre sistema de governo realizado em 21 de abril de 1993. Venceu o presidencialismo, com 69,2% dos votos.

Consagrado desde o advento da República, em 1889 - só afastado nos breves períodos em que o país foi governado por juntas militares e no efêmero parlamentarismo tupiniquim que garantiu a posse de João Goulart e durou apenas 16 meses - o presidencialismo tornou-se fraco no pós 88 frente à tendência constitucional parlamentarista. Para aprovar seus projetos num Congresso com forte vontade de governar, os presidentes desde então lotearam o governo, entregando ministérios e postos-chave a parlamentares influentes que assumiram como ministros e/ou indicaram correligionários para o ministério e a direção de órgãos estatais. Em troca, seus grupos votavam com o governo e formavam as maiorias parlamentares situacionistas.

A sanha de "governar" levou parlamentares e partidos a recorrer ao Judiciário - no caso ao Supremo Tribunal Federal, por conta do foro privilegiado - para resolver divergências que não conseguiam solucionar no ambiente político-legislativo. É o que se denomina judicialização da política. Ministros do STF passaram a, muitas vezes solitariamente e por liminar, impedir o cumprimento de leis votadas pelo Congresso (de 513 deputados e 81 senadores) e de atos do presidente da República, como a recente nomeação do diretor da Polícia Federal. Como são vitalícios, nomeados pelo presidente da República e sabatinados aprovados no Senado, tais os ministros da suprema corte têm origem no meio político e, sempre que agem monocraticamente sobre polêmicos temas político-administrativos, acabam envoltos na cortina de dúvida sobre sua isenção.

Só agora, depois de muitos anos delegando sua prerrogativa ao Judiciário - que a recebeu a delegação de bom grado e sempre que possível a ampliou - o Congresso se mobiliza pelo resgate. Propostas que já tramitam exigem a decisão de colegiado (não a simples liminar de um ministro) para barrar atos questionados do Legislativo e do Executivo.

Que esse seja apenas o começo de uma ampla reforma rumo ao equilíbrio entre os poderes institucionais. Que membros isolados do Judiciário não continuem com poder para decidir sozinhos pela instituição. Que o Executivo não possa continuar editando indiscriminadamente medidas provisórias, só o fazendo na emergência da guerra ou da  catástrofe. E que o Legislativo pare de engavetar projetos e a fazê-los morrer sem a apreciação do colegiado de deputados e senadores. É preciso resgatar a essência e o poder institucional (federal, estadual e municipal) para que a festejada democracia brasileira não pereça...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.