Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“É preciso ouvir a voz rouca das ruas” – dizia Ulysses Guimarães, o destacado líder político que durante toda sua vida encarnou a luta democrática e nos legou a Constituição que no último dia 5 completou 30 anos. A eleição de Jair Bolsonaro nada mais é do que a manifestação majoritária dessa voz que, talvez, não seja tão rouca como dizia a retórica do velho líder. É preciso que os alijados do poder tenham humildade para aceitar e que os ganhadores sejam dotados de grandeza para não exceder. O novo presidente tem todo o direito e representatividade para implantar as mudanças que pregou e com as quais conquistou os votos. Ele necessita do espaço para trabalhar, ouvir, raciocinar e decidir mediante a delegação que lhe outorgaram os 57 milhões de eleitores que o sufragaram nas urnas.

Promover manifestações, chamar greves e tentar atrapalhar num momento desses é ação de lesa-pátria e merece toda reprova. A democracia estatui que a maioria governa e a minoria se submete e, em não concordando, se organiza, torna-se maioria e, na mesma linha de raciocínio, assume o poder e vai fazer do seu jeito.  Tem o Executivo a tarefa de governar e o Legislativo (que representa o povo e as unidades federadas) a obrigação de discutir as medidas e aprová-las ou não. A sociedade, se quiser participar, tem como caminho fazê-lo ordeiramente através de seus representantes, que são os integrantes das casas legislativas. Em último caso, não havendo forma de ser ouvida, ainda há o recurso de recorrer à Justiça. Mas nada justifica a desobediência civil e o grevismo. O direito de greve é assegurado, mas como último recurso nas relações do trabalho. Não na forma de instrumento de pressão política.

Depois de tantos anos de enganos, permissividade, omissão e até de corrupção, a sociedade escolheu mudar. Foi buscar alguém que lhe parecia em condições de atender suas aspirações. É preciso aguardar as medidas, acompanhar sua tramitação legislativa e, por fim, vê-las implementadas (ou não). O presidente eleito já se declarou, algumas vezes, escravo da Constituição e da forma democrática. É preciso ter um crédito de confiança. Temos de repudiar todos os que, pela força e pressão, se vitimizam ou ameaçam recorrer a meios violentos e antidemocráticos para impedir que a vontade vinda da “voz rouca das ruas” se torne realidade. O confronto é o que menos interessa aos brasileiros, um povo pacífico por natureza. Tudo o que se fizer nesse sentido será tentativa de impedir as reformas que o país necessita para ir em busca de dias melhores. Que venham as reformas econômica, eleitoral, social e de todos os setores que hoje vivem no descompasso...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.